Brexit: Portugal vai lançar campanha para não perder turistas ingleses

  • Ana Luísa Alves
  • 27 Setembro 2016

Contrariamente ao que foi dito a semana passada, a secretária de Estado do Turismo reconheceu que o Brexit vai ter impacto e, por isso, vai ser lançada uma campanha de promoção de Portugal.

Vai ser feita uma campanha para não perder turistas ingleses em Portugal, no momento em que se aproxima o “divórcio” entre o Reino Unido e a União Europeia (UE). Esta informação, revelada esta terça-feira, pela secretária de Estado do Turismo, vem contrariar aquilo que a própria Ana Mendes Godinho, disse, a semana passada, à Bloomberg.

Na passada quinta-feira, Ana Mendes Godinho disse acreditar que a saída do Reino Unido da UE não ia afetar o turismo britânico por terras lusas. Isto porque, segundo a secretária de Estado, o mercado britânico está em crescimento e a relação entre Portugal e o Reino Unido é “muito forte há vários anos”.

Poucas semanas depois de se ter tornado pública a decisão de o Reino Unido de sair da UE, os responsáveis do setor turístico e o Governo reuniram-se para rever e definir a estratégia do país para não perder os turistas britânicos.

Agora, em entrevista à TSF e ao Diário de Notícias, Ana Mendes Godinho disse que o Governo vai lançar uma campanha de sensibilização em Inglaterra, de forma a desvalorizar eventuais efeitos da saída da UE, e como solução para continuar a ter o mercado britânico como um dos principais emissor.

Embora ainda não tenha sido adiantada a data da campanha, esta deverá vai coincidir com o momento em que se der o “divórcio” formal entre o Reino Unido e a UE, no início de 2017. A promoção terá por base a ideia “da mais velha aliança na Europa” e a secretária de Estado refere que vai ser aproveitada como um “ativo de estabilidade com o mercado do Reino Unido”. “Sabemos que estas questões das expectativas têm muita influência nas decisões dos turistas”, acrescenta.

Editado por Mónica Silvares

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brexit: Portugal vai lançar campanha para não perder turistas ingleses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião