PT e sindicatos assinam Acordo Coletivo de Trabalho após anos de negociação

  • Lusa
  • 27 Setembro 2016

A administração da PT e os sindicatos subscreveram o Acordo Colectivo de Trabalho, pondo fim a anos de negociação e com cláusulas que beneficiam os trabalhadores mais jovens do grupo.

“Temos consciência que obtivemos um resultado final limitado, mas que em contrapartida não gerou situações de maior constrangimento dos direitos, atualmente, consignados no ACT”, disse hoje o presidente da direção do Sindicato dos Trabalhadores do Grupo Portugal Telecom (STPT), Jorge Felix, à Lusa.

A negociação do ACT foi interrompida em 2013 e retomada em maio deste ano, depois da compra, no ano anterior, da empresa pelo grupo francês Altice.

De acordo com o sindicalista, no concreto, apesar de a empresa não ter manifestado abertura para aumentos salariais, foi possível negociar uma subida mensal de 15 euros nos salários inferiores a 725 euros e negociar outros suplementos, como o pagamento de deslocações no trabalho suplementar ou o subsídio especial de refeição, que as camadas mais jovens ainda não tinham.

Foi também ajustado o valor das ajudas de custo de 7,5 euros para 8,15 euros quando é necessária a deslocação de um trabalhador a mais de 20 quilómetros do seu local habitual de trabalho, referiu.

No total, as medidas inscritas no ACT irão beneficiar cerca de 2.000 trabalhadores do grupo.

“O acordo alcançado foi, assim, positivo para os trabalhadores mais recentes da PT e, ao mesmo tempo, conseguimos que não houvesse agravamento para os restantes”, disse Jorge Felix.

O ACT foi assinado na segunda-feira entre o presidente do Comité Executivo da PT, Paulo Neves, o administrador dos Recursos Humanos, João Zúquete e os sindicatos, que subscreveram formalmente os resultados finais da negociação.

Por ambas as partes foi reconhecida a importância que o princípio do diálogo e da negociação sejam respeitados e valorizados nas relações entre sindicatos, gestores e acionistas, sublinhou o presidente da direção do STPT.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PT e sindicatos assinam Acordo Coletivo de Trabalho após anos de negociação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião