Google abre portas ao digital com aulas gratuitas no país

A partir de 2017, a empresa vai dar formação gratuita sobre o mundo digital em Setúbal, Leiria e Aveiro. Mas também criou uma plataforma online, já disponível livremente para todos os portugueses.

A Google vai dar aulas gratuitas sobre o mundo digital a partir do próximo ano. O projeto “Atelier Digital” foi apresentado esta segunda-feira em Setúbal. E, em conjunto com Leiria e Aveiro, as três cidades portuguesas serão as primeiras a acolher estas “sessões de formação gratuita para pessoas com ou sem grau académico, empregados ou desempregados”, explica a empresa em comunicado.

Qualquer pessoa pode usufruir destas formações, presencialmente ou não. Para quem não está nestas cidades mas tenha acesso à internet, a Google criou uma plataforma online com a mesma finalidade: a formação é livre, certificada e já se encontra disponível aqui, com “tutoriais gratuitos” para “ter sucesso online nas redes sociais, nos motores de pesquisa e muito mais”, lê-se na página inicial.

São 23 módulos no total e é o aluno quem define o plano de aprendizagem. Estes “cobrem diferentes áreas de competências digitais”, como “pesquisa, e-mail, redes sociais, redes display, vídeo, e-commerce e web analytics. A formação é dada em vídeo, seguindo-se várias atividades e, no final, um teste.

O “Atelier Digital” foi apresentado esta segunda-feira em Setúbal. Créditos: Paulo AlexandrinoPaulo Alexandrino

Quanto aos cursos presenciais, serão dados ao longo de três dias e abrangem a “otimização para motores de pesquisa (SEO), marketing para motores de pesquisa (SEM), marketing nas redes sociais e mobile, análise de Web e internacionalização”. Arrancam “a partir do início de 2017”, frisa a empresa.

Numa altura em que muitos portugueses não têm competências básicas no domínio digital — e em que a Comissão Europeia (CE) alerta que vai haver um défice de massa crítica neste campo — Francisco Ruiz, diretor de assuntos institucionais da Google na região ibérica, garante que o projeto dará um contributo “para ajudar a resolver o problema”. O “desenvolvimento das competências digitais na Europa” é “uma das grandes prioridades económicas e sociais da União Europeia”, recorda a multinacional.

"O código surge como uma condição de cidadania do futuro. Um futuro apostado numa sociedade mais justa e solidária constrói-se se todos os responsáveis, pessoas e instituições, forem capazes de criar contextos de inclusão.”

Maria Fernanda Rollo

Secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

O projeto “Atelier Digital” não é exclusivo para Portugal. Segundo a Google, outras iniciativas deste género têm sido implementadas na Europa “com sucesso e com resultados bem expressivos”. No país, o projeto conta com o apoio da Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos e da SIC Esperança.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Google abre portas ao digital com aulas gratuitas no país

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião