Privados perdem exclusivo da venda de plasma

  • ECO
  • 20 Dezembro 2016

Vai passar a ser obrigatório para os hospitais públicos recorrerem primeiro ao Instituto Português de Sangue para repor reservas de plasma. O objetivo é bloquear o monopólio do negócio da Octapharma.

O Governo vai publicar um despacho em que retira o exclusivo do negócio do sangue, em específico de plasma, aos privados. Assim, os hospitais públicos vão ter primeiro de recorrer ao Instituto Português de Sangue e Transplantação (IPST) para comprar plasma ou outras componentes do sangue. A notícia foi dada esta terça-feira pelo Público, que avança que o despacho deverá ser publicado ainda esta semana.

Esta decisão do Executivo português surge depois da investigação do Ministério Público que resultou na detenção do ex-presidente do INEM e da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, Luís Cunha Ribeiro, que ficou em prisão preventiva. Em causa está a entrega à empresa Octapharma do negócio da venda de plasma sanguíneo aos hospitais públicos em Portugal, um concurso em que Cunha Ribeiro fez parte do júri. Nessa altura, o ex-presidente do INEM estaria a viver na casa do principal responsável da farmacêutica.

A investigação começou no ano passado, após uma reportagem da TVI que denunciava o desperdício de plasma sanguíneo doado pelos portugueses. Chama-se Operação O negativo e vê agora as primeiras consequências do lado da regulação: o Ministério da Saúde vai regulamentar o setor, combatendo o domínio do mercado pela multinacional Octapharma (que faturou 250 milhões nos últimos oito anos), para que Portugal não esteja depende do fornecimento de empresas estrangeiras. Os hospitais que quiserem repor as reservas vão ter de recorrer ao IPST.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Privados perdem exclusivo da venda de plasma

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião