Lesados: Marcelo admite pequeno custo para os contribuintes

"Não é a solução ideal", defende Marcelo sobre o acordo alcançado sobre os lesados do BES. Chefe de Estado admite que a solução poderá ter "um pequeno custo" para os contribuintes.

O Presidente da República reconhece que a solução encontrada para os lesados do papel comercial do Grupo Espírito Santo e do Banco Espírito Santo “não é a ideal”, mas deixa a possibilidade de quem o desejar poder recorrer ao tribunal. Quanto ao custo para os contribuintes, Marcelo Rebelo de Sousa disse que é necessário esperar três anos para avaliar a gestão do veículo privado criado para o efeito. Contudo, admitiu que pode “implicar um pequeno custo”.

É uma “preocupação legítima” se a solução “sai do bolso dos contribuintes”, disse Marcelo aos jornalistas, mas será necessário avaliar a gestão privada do fundo criado para depois perceber. “Para já, sendo um veículo privado, não se coloca o problema de ir ao défice deste ano ou do próximo ano”. Se a diferença for negativa terá poderá “implicar um pequeno custo”, admitiu o Chefe de Estado, lembrando, contudo, que ainda assim é preciso perceber depois se a diferença vai ou não ou défice. Aqui será determinante a forma como Bruxelas vai contabilizar a questão. Tal como no passado, pode dar-se o caso de a medida ser vista como “extraordinária” e assim não ser tida em conta no âmbito do Procedimento por Défice Excessivo.

Quanto ao défice, Marcelo acredita que o otimismo do primeiro-ministro relativamente às contas públicas é um bom sinal. “Deve saber mais do que todos nós”, disse Marcelo. Em causa está a possibilidade de o défice ser inferior a 2,5%, a meta exigida por Bruxelas, mas “o otimismo do primeiro-ministro pode justificar um défice inferior, reiterou, precisando que o Presidente da República “sempre falou de 2,5%”.

Confrontado com os dados hoje avançados pelo INE, que mostraram um défice entre janeiro e setembro, nos 2,5% do PIB, o Presidente sublinhou que este desempenho é possível graças a um acelerar do crescimento na segunda metade do ano, que gera mais receita, mas também uma contenção da despesa, não só de funcionamento, mas também de investimento.

Já sobre o acordo alcançado ao nível do salário mínimo, Marcelo garante que “o acordo é positivo” já que o aumento é compensado pela descida da Taxa Social Única (TSU). O acordo “contorna os problemas que os empregadores teriam com a subida do salário mínimo”, sublinhou o Presidente. “Temos de pensar nos milhares e milhares de pequenos e médios empregadores, empresários por esse país fora, que teriam com a subida do salário mínimo problemas complicados em termos da gestão das suas empresas”, declarou. E lembrou que são as empresas que investem no país. Além disso, o Orçamento da Segurança Social não é afetado, acrescentou. “Feitas as contas é um sinal de paz social”, garantiu.

O Governo e os parceiros sociais chegaram na quinta-feira a um acordo de princípio de médio prazo, em sede de Concertação Social, sem a CGTP, e que contempla, no imediato, a atualização do salário mínimo nacional (SMN) para os 557 euros, a partir de 01 de janeiro, a par da redução da TSU em 1,25 pontos percentuais para os empregadores.

Atualmente, o salário mínimo nacional é de 530 euros, devendo chegar aos 557 euros, em 2017, e aos 580 euros, em 2018, antes de chegar aos 600 euros, em 2019, conforme o compromisso assumido pelo Governo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lesados: Marcelo admite pequeno custo para os contribuintes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião