Trump nomeia mais um nome ligado a Wall Street

O próximo presidente do regulador do mercado de capitais norte-americano tem ligações a Wall Street, o que contrasta com as críticas feitas por Trump durante a campanha.

O próximo presidente dos Estados Unidos da América escolheu mais um nome ligado a Wall Street para a nova administração que toma posse no dia 20 de janeiro. Chama-se Jay Clayton e vai ser o presidente da Securities and Exchange Commission (SEC), equivalente à CMVM em Portugal. Em comunicado, a equipa de transição de Trump refere que a atuação de Clayton vai permitir que haja mais emprego nos EUA. Esta nomeação acumula-se a outras como a de Gary Cohn, ex-Goldman Sachs, para principal conselheiro económico da nova administração.

“Clyton vai ter um papel importante para desencadear o poder de criar empregos da nossa economia ao encorajar o investimento em empresas norte-americanas enquanto faz uma supervisão forte a Wall Street e indústria relacionadas”, lê-se no comunicado publicado pela equipa de transição de Donald Trump e Mike Pence. Neste momento, Jay Clayton é partner da Sullivan & Cromwell LLP, uma empresa de advogados reconhecida de Nova Iorque, com ligações à bolsa.

O comunicado diz ainda que Clayton traz “décadas de experiência a ajudar empresas a navegar pelas complexas regulações federais”, além de ser “muito talentoso e um especialista em muitos aspetos da lei financeira e regulatória”. “Ele vai assegurar que as nossas instituições financeiras possam prosperar e criar empregos enquanto jogam segundo as regras ao mesmo tempo“, declarou Donald Trump no comunicado.

Não há, por isso, dúvidas quanto ao papel que Jay Clayton vai representar na administração Trump, dadas as ideias que o próximo líder norte-americano apresentou na campanha. “Temos de desfazer muitos dos regulamentos que têm sufocado o investimento nos negócios norte-americanos, e restaurar a supervisão no setor financeiro de forma a que este não prejudique os trabalhadores norte-americanos”, afirmou Trump. Uma vontade que o próprio Clayton corrobora no mesmo comunicado onde é conhecida a nomeação.

Editado por Paulo Moutinho

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump nomeia mais um nome ligado a Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião