5 coisas que tem de saber antes de abrirem os mercados

  • Rita Atalaia
  • 26 Janeiro 2017

O Eurogrupo deve explicar porque é que a "situação de Portugal não é boa" a Mário Centeno. A época de resultados também continua hoje com o BPI e com a Alphabet, dona da Google.

O Eurogrupo defende que a “situação de Portugal não é boa” e deve explicar hoje porquê a Mário Centeno. Os ministros das Finanças também vão analisar como está a decorrer o programa de resgate da Grécia. No Reino Unido, o mercado também vai ficar a saber como está a economia a reagir à saída do país da região. A época de resultados também ganha força dos dois lados do Atlântico. Por cá, o banco liderado por Fernando Ulrich vai divulgar os resultados do ano passado, enquanto, nos EUA, é a vez da Alphabet, dona da Google, divulgar as contas.

Europa alerta Centeno: Situação “não é boa”

A situação de Portugal está a gerar preocupação entre os responsáveis do seio do Eurogrupo. Esta preocupação foi suscitada por um responsável do Eurogrupo que, citado pela Bloomberg, afirmou que “a situação de Portugal não é boa”, e que Jeroen Dijsselbloem, deverá alertar Mário Centeno para isso mesmo na reunião do Eurogrupo que decorre esta quinta-feira. Na agenda está o acompanhamento do pós-programa de assistência financeira a Portugal, mas também à Irlanda e Espanha. Os ministros das Finanças vão ainda analisar o programa de resgate da Grécia.

BPI a caminho de subida dos lucros?

O banco liderado por Fernando Ulrich prepara-se para apresentar contas do ano passado esta quinta-feira. Isto numa altura em que é alvo de uma Oferta Pública de Aquisição da parte do CaixaBank, com o grupo catalão a oferecer 1,134 euros por cada ação que ainda não detém. Para o CaixaBI, o BPI deverá ter registado uma subida de 12,7% dos lucros para 266,4 milhões de euros em 2016, um resultado impulsionado pelo crescimento de 13,6% da margem financeira para 753,8 milhões de euros. O banco de investimento prevê que esta melhoria vai “continuar a beneficiar da queda dos custos dos depósitos”.

Economia escapa aos efeitos do Brexit

Os investidores ficam hoje a conhecer o dados referentes à economia do Reino Unido. O seu desempenho pode indicar de que forma é que o país está a reagir à decisão de sair da União Europeia. Uma saída que está agora dependente da decisão do Parlamento. Segundo a Bloomberg, a economia deve ter conseguido escapar a um abrandamento provocado pelo Brexit no quarto trimestre. Com base nos dados disponíveis, o crescimento deve ficar ligeiramente acima da previsão dos economistas consultados pela agência noticiosa: pode chegar a 0,5%. Isto no dia em que David Davis, o responsável pelas negociações da saída da UE, vai prestar esclarecimentos no Parlamento britânico.

Schäuble pode dar mais pistas sobre futuro da Europa

Para o ministro das Finanças alemão, o Brexit é uma “ameaça”. E um dos objetivos deve ser minimizar os danos que a saída do Reino Unido da região pode ter, não só para a Alemanha como para a Europa. Wolfgang Schäuble poderá falar mais sobre este problema, e sobre outros temas, quando se juntar ao presidente do banco central alemão, Jens Weidmann, e ao líder do banco central holandês, Klaas Knot, num encontro promovido pela chanceler alemã, Angela Merkel.

Então e os resultados da Google?

Do outro lado do Atlântico, a época de resultados continua em força. Desta vez, com a divulgação dos resultados referentes ao quatro trimestre da Alphabet, dona da Google. Analistas consultados pela Bloomberg estimam que o lucro líquido ajustado tenha ficado perto dos 6 mil milhões de dólares. Será que a Google vai continuar a impulsionar os resultados da casa-mãe?

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que tem de saber antes de abrirem os mercados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião