Barclays volta a ser o banco com mais processos de mediação de crédito

Foram abertos 599 processos de mediação de crédito em 2015. O Barclays continua a ser o que motiva mais processos, sobretudo devido à reestruturação de dívidas com cartões de crédito.

Os processos abertos em 2015 deram origem a 599 mediações de crédito, o que representa uma ligeira descida em comparação com o ano anterior. Segundo o mais recente relatório do Mediador do Crédito, entidade que trabalha com o Banco de Portugal, o Barclays (que em Portugal foi comprado pelo Bankinter, em 2016) continua a ser a instituição financeira com mais mediações. Isto apesar de o número ter diminuído em comparação com as que foram iniciadas em 2014.

“Em 2015, foram abertos 599 processos, o que evidencia uma pequena redução (3%) relativamente aos 616 processos abertos em 2014”, lê-se no Relatório de Atividade do Mediador de Crédito referente a 2015. Destas, 50 foram feitas junto do Barclays, que continua a ser a instituição financeira com mais mediações. “No caso da sucursal do Barclays Bank, um número significativo de mediações diz respeito à reestruturação de dívidas associadas a cartões de crédito“, de acordo com o relatório.

Mas a tendência parece ser de descida. Apesar de o Barclays continuar a ser o banco com mais mediações, o número recuou em relação às 90 iniciadas no ano anterior. E o mesmo acontece nos outros bancos. O Santander Totta passou de 29 para 19 mediações, a Caixa Geral de Depósitos de 27 para 19 e a Cofidis de 23 para 16.

“Em termos gerais, os bancos de maior dimensão do sistema financeiro português, bem como algumas instituições de crédito especializadas no crédito ao consumo, continuaram a ser as entidades com as quais foram realizadas mais mediações”, justifica o relatório.

Taxa de sucesso aumenta

Na análise feita pelo Mediador do Crédito para o período compreendido entre 2009 e 2015, assinala-se que as mediações tiveram uma taxa de sucesso global de 62%, valor que fica acima do que foi observado até final de 2014 (de 60%).

Ou seja, salienta o relatório, “num número significativo de casos, foi possível alcançar o resultado visado pela mediação, isto é, o acordo entre o cliente bancário e a instituição de crédito”.

Considerando apenas os processos abertos em 2015, a taxa de sucesso nesse ano foi de 75%, valor que corresponde a 129 mediações concluídas num total de 201 abertas.

“A taxa de sucesso das mediações reflete a colaboração das instituições de crédito na viabilização de acordos, bem como alguns ajustamentos das condições aplicadas na reestruturação de créditos, em particular nos últimos anos”, refere ainda o relatório.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Barclays volta a ser o banco com mais processos de mediação de crédito

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião