Câmara de Lisboa promove Feira Popular para lançar concurso ainda este ano

  • Lusa
  • 29 Janeiro 2017

O município liderado por Fernando Medina apresenta, em fevereiro, a empresários e investidores, o projeto da Feira Popular de Lisboa. A ideia é avançar com o concurso de exploração ainda este ano.

A Câmara de Lisboa vai promover, no final de fevereiro, uma sessão dirigida a empresas e investidores para apresentar o projeto da nova Feira Popular em Carnide, tendo em vista o lançamento, ainda este ano, do concurso de exploração.

De acordo com uma informação publicada no ‘site’ da autarquia, esta será uma “sessão pública aberta a todos os agentes económicos e investidores interessados para apresentação dos principais objetivos do projeto”.

O município acrescenta que o encontro se enquadra no objetivo de “promover, em 2017, um concurso público internacional para a conceção, financiamento, construção, exploração e manutenção da Nova Feira Popular de Lisboa“. Para participar na sessão, que decorre às 11:00 de 21 de fevereiro nos Paços do Concelho de Lisboa, os interessados devem inscrever-se através do endereço de ‘email’ feirapopulardelisboa@cm-lisboa.pt.

A Feira Popular de Lisboa foi criada em 1943 para financiar férias de crianças carenciadas e, mais tarde, passou a financiar toda a ação social da fundação O Século. Antes de Entrecampos, onde fechou em 2003, a feira funcionou em Palhavã. No final de 2015, mais de 12 anos depois do encerramento, a autarquia anunciou que a Feira Popular iria voltar, inserida num parque urbano de 20 hectares em Carnide.

Um estudo preliminar datado de outubro de 2015 e divulgado em junho do ano seguinte, encomendando pela autarquia a uma empresa holandesa, refere que a Feira Popular deverá representar um investimento de cerca de 70 milhões de euros. O documento, elaborado pela empresa holandesa Jora Vision – que já fez estudos semelhantes para outros parques temáticos da Europa -, precisa que neste número se inserem as atrações (que representam a maior fatia de investimento, na ordem dos 27 milhões de euros), o trabalho no terreno (20 milhões), a decoração (15 milhões), a construção (5,2 milhões) e o ‘design’ e engenharia (3,2 milhões).

No que toca aos visitantes, a empresa define como dois principais públicos-alvo as famílias e os aventureiros que procuram emoções fortes, ainda que assinale que ali haverá “atrações para entreter um vasto público”. A expectativa é de que os visitantes possam frequentar a nova Feira Popular em 2018, de acordo com o estudo, que aponta um total de 800 mil nesse ano. No ano seguinte, o número deverá subir para 900 mil e atingir um milhão em 2020. Já em 2021 passará para 1,2 milhões de visitantes e em 2022 para 1,4 milhões de visitantes. O estudo preliminar aponta ainda que os bilhetes deverão custar dois euros.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Câmara de Lisboa promove Feira Popular para lançar concurso ainda este ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião