CGD: Recapitalização e fecho de balcões no debate quinzenal

  • Lusa
  • 22 Março 2017

António Costa vai ser confrontado, no debate quinzenal, com o plano de recapitalização do banco estatal, mas também com o polémico programa de encerramento de balcões.

O plano de recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) e o fecho de agências será um dos temas centrais do debate quinzenal de hoje com o primeiro-ministro, António Costa, no parlamento.

Com o processo de recapitalização, a Caixa deverá encerrar cerca de 70 balcões até ao final do ano, estimando-se que a redução de agências atinja as 180 no final de 2020 – uma reestruturação que tem levantado dúvidas ao PCP, Bloco de Esquerda e “Os Verdes” e que conta já com a oposição do PSD.

PCP e Bloco de Esquerda optaram por levar essas dúvidas à discussão com António Costa.

Os comunistas querem abordar a questão da recapitalização da Caixa, a rede de agências que a administração do banco admite reduzir, a manutenção dos postos de trabalho e a emissão de obrigações.

O Bloco de Esquerda, que pediu uma audição urgente no parlamento do ministro das Finanças sobre a redução de balcões da Caixa Geral de Depósitos, também irá questionar António Costa sobre o assunto, segundo fontes da bancada bloquista.

Até o partido do Governo, o PS, através do seu líder parlamentar, Carlos César, pediu, na segunda-feira, aos deputados socialistas que defendam o “serviço público” no processo de reestruturação da rede de agências da CGD, alegando que não se pode “assobiar para o ar” nesta matéria.

O debate quinzenal com o primeiro-ministro será aberto pela deputada e líder do CDS, Assunção Cristas, seguindo-se os pedidos de esclarecimento a António Costa do PSD, PS, BE, PCP, PEV e do deputado do Pessoas-Animais e Natureza (PAN).

Os debates quinzenais dos últimos dois meses têm sido marcados por um ambiente de grande crispação entre o Governo do PS e o PSD, de Pedro Passos Coelho, tendo atingido um ponto alto na sessão de 08 de março.

Costa e Passos trocaram acusações violentas, com o ex-primeiro-ministro do PSD a acusar o seu sucessor de “enlamear” o anterior executivo por causa do caso das “offshore”, dos milhões de euros que saíram para “paraísos fiscais” sem o escrutínio da autoridade tributária.

Os casos financeiros, o processo de recapitalização da Caixa, o caso BES e mais recentemente a fuga para os “offshore” têm sido temas centrais dos debates quinzenais desde o início do ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD: Recapitalização e fecho de balcões no debate quinzenal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião