Quem é Dijsselbloem, o holandês que revoltou os países do sul

Presidente do Eurogrupo, ministro das Finanças da Holanda e presidente do Conselho de Governadores do Mecanismo Europeu de Estabilidade. Quem é Dijsselbloem?

Uma declaração bastou para marcar a agenda política da semana:

A declaração é de Jeroen Dijsselbloem, ministro das Finanças holandês e presidente do Eurogrupo. A revolta é dos países afetados pela crise, sobretudo os do Sul da Europa, os tais que gastaram dinheiro em “bebidas e mulheres”. Em um dia, o homem que já tinha sinalizado que queria cumprir o mandato como presidente do Eurogrupo até janeiro de 2018 — apesar de, neste momento, e após as legislativas na Holanda, ser apenas ministro das Finanças interino –, conseguiu que, de todos os lados, viessem pedidos para que se demitisse.

Dentro das instituições europeias, o líder dos socialistas europeus, Gianni Pittella, diz que Dijsselbloem não é adequado para ocupar o cargo de presidente do Eurogrupo. Por cá, o próprio primeiro-ministro já se pronunciou, para dizer Dijsselbloem é “sexista, xenófobo e racista” e que, “numa Europa a sério, a esta hora já estava demitido”. Já Ernest Urtasun, eurodeputado espanhol, deixou a questão: “gostaria de saber se esta é a sua primeira declaração enquanto candidato para renovar o seu cargo de presidente do Eurogrupo”.

Afinal, e para lá do sexismo, xenofobia e racismo, quem é este homem que está a revoltar meia Europa? Economista e político, Jeroen René Victor Anton Dijsselbloem estou economia e agricultura nas universidades de Cork, na Irlanda, e de Wageningen, cidade holandesa onde vive atualmente.

Desde a década de 1990, já desempenhou várias funções no governo holandês. Hoje, quase a completar 51 anos, ocupa o cargo de presidente do presidente do Eurogrupo, desde janeiro de 2013. Em paralelo, é ministro das Finanças da Holanda e, desde 2013, é também presidente do Conselho de Governadores do Mecanismo Europeu de Estabilidade.

Desde que assumiu a liderança do grupo de ministros das Finanças da Zona Euro, Dijsselbloem tem sido uma das caras mais visíveis da austeridade na Europa. As últimas críticas que deixou aos “países do sul” foram das mais explosivas, mas estão muito longe de terem sido as únicas. Ainda em janeiro deste ano, já o Governo português anunciava que o défice de 2016 vai ficar abaixo de 3% pela primeira vez na história do país, Dijsselbloem não se deixava encantar e deixava novos alertas a Portugal. “Não há espaço para complacência com Portugal”, “há riscos relevantes no médio prazo” e “a volatilidade nos mercados sublinha a necessidade de Portugal acelerar as reformas e de fortalecer os bancos”, dizia então o presidente do Eurogrupo. Nessa altura, contudo, foi mais brando: “isso está a ser feito neste momento. Penso que estão a tomar as medidas adequadas”.

Portugal tem sido apenas um dos alvos. Visto como o aliado da Alemanha dentro do Eurogrupo, o argumento de Dijsselbloem para países como a Itália ou a Grécia, independentemente da situação económica dos países, tem sido sempre o mesmo: contenção orçamental, contenção orçamental, contenção orçamental.

Uma das posições que mais controvérsia gerou foi a que adotou em relação ao Chipre, quando defendeu um resgate ao país, que acabou mesmo por ir para a frente.

Agora, sobra-lhe um futuro incerto. Não só pelas declarações polémicas que o colocaram em xeque, mas pelo desenrolar das eleições legislativas na Holanda, que deram a vitória ao partido do atual governo, mas com muito menos assentos parlamentares. Dijsselbloem é, neste momento, ministro interino, e é possível que venha a perder este cargo. Assim sendo, terá de ser substituído como presidente do Eurogrupo por outro ministro das Finanças da Zona Euro.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quem é Dijsselbloem, o holandês que revoltou os países do sul

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião