Paulo Portas: Portugal deve ser “profissional” nas relações com Angola

  • ECO
  • 28 Março 2017

O agora vice-presidente da Câmara do Comércio e Indústria Portuguesa defendeu, numa entrevista, que a relação entre Portugal e Angola é insubstituível e que o país deve saber mantê-la.

Paulo Portas alertou que Portugal deve saber ser profissional e firme na defesa do espaço seu e do seu “contributo para o desenvolvimento de Angola”. Numa entrevista ao Jornal de Negócios publicada esta terça-feira, o antigo vice-primeiro-ministro e atual vice-presidente da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa (CCIP) defendeu que a relação luso-angolana “não é substituível” e que, embora outros países a invejem, o país deve saber mantê-la.

O também líder histórico do CDS reiterou que “Portugal tem algumas afinidades eletivas” com países como Angola, e que deve cuidar delas “de forma muito profissional”, preservando “essas relações de afinidade que são, em primeiro lugar, com Portugal”, mas que “não estão guardadas para Portugal” se o país não souber “ter uma política que proteja essa posição”.

Sem entrar em casos concretos, Paulo Portas disse que “a política externa de um Estado que se dá ao respeito” é aquela que “unitária, comandada e representada pelo Governo e pelo Presidente da República sem quaisquer outras interferências”. “O que penso digo aos responsáveis e apenas a eles”, frisou.

Na entrevista, o centrista mostrou-se ainda otimista quanto ao futuro das relações económicas do país com os países africanos de língua oficial portuguesa e que se Portugal quer ser mais relevante na Europa, tem de “cultivar as suas relações especiais” fora dessa mesma Europa”, disse.

Por fim, Paulo Portas disse ainda que Portugal tem de crescer acima a média europeia, pois é “a única forma” de recuperar “o atraso” que tem em relação aos seus congéneres europeus. “Basta olhar para os crescimentos médios da globalização para perceber que embora os nossos parceiros comerciais tradicionais estejam na Europa, (…) para onde nós podemos aumentar exponencialmente as exportações é para mercados não-europeus”, indicou ao Jornal de Negócios.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Paulo Portas: Portugal deve ser “profissional” nas relações com Angola

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião