Elon Musk vai ligar os cérebros humanos aos computadores

  • ECO
  • 30 Março 2017

A nova companhia que o fundador da Tesla criou quer ligar os cérebros humanos aos das máquinas para nos permitir alcançar uma maior capacidade cognitiva. É o futuro, cada vez mais próximo.

Elon Musk não desiste de avançar com a tecnologia… a todos os níveis. Depois da Tesla e dos carros futurísticos, agora fundou uma nova companhia, a Neuralink, que terá como objetivo ligar os cérebros humanos aos computadores.

Fontes da Neuralink contaram ao The Wall Street Journal (conteúdo em inglês/ acesso pago) que a empresa está a desenvolver aquilo que designam como um “laço neural”, uma tecnologia que permitirá às pessoas comunicarem diretamente com os computadores, sem terem de passar por um intermediário físico. Ou seja, sem terem de escrever no teclado do computador ou usar os seus restantes componentes para enviarem informação do seu cérebro para o “cérebro” da máquina.

A Neuralink foi registada na Califórnia em julho do ano passado como uma companhia de pesquisa médica e envolve o implante de elétrodos — condutores de corrente elétrica — nos cérebros humanos que permitiam às pessoas fazerem uploads ou downloads dos seus pensamentos para um computador ou a partir de um computador. No fundo, este sistema permitiria aos utilizadores atingirem níveis mais elevados de desempenho cognitivo.

Ainda não há muita informação sobre como a empresa vai avançar nos próximos tempos, mas o seu fundador já veio anunciar, na sua conta do Twitter, que o esclarecimento está para breve, com um artigo que deverá sair no blogue Wait But Why na próxima semana.

 

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Elon Musk vai ligar os cérebros humanos aos computadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião