Portagens mais baratas no Algarve? Parlamento diz que não

  • Lusa
  • 31 Março 2017

O parlamento chumbou esta sexta-feira projetos para a abolição das portagens na A22, bem como a sua suspensão ou a diminuição até à conclusão das obras na Estrada Nacional 125.

O parlamento chumbou hoje projetos de resolução do PCP, BE e PEV para a abolição das portagens na A22, e de PSD e CDS-PP pela sua suspensão ou a diminuição até à conclusão das obras na Estrada Nacional 125.

No caso dos projetos de resolução do PCP, do BE e do PEV, os deputados do PS eleitos pelo Algarve Jamila Madeira, Luís Graça, António Eusébio e Fernando Anastácio, votaram a favor, tendo a bancada socialista votado contra todas as iniciativas.

O CDS-PP pedia a diminuição do custo das portagens da A22, “mantendo o seu congelamento até que as obras de requalificação da EN125 estejam concluídas“, enquanto o PSD apresentou um projeto de resolução pela suspensão da cobrança de portagens até à conclusão das mesmas obras de requalificação.

PCP, BE e PEV pedem a abolição das portagens, embora o partido ecologista “Os Verdes” considere que deve ser o Governo a tomar decisão, enquanto comunistas e bloquistas querem chamar ao parlamento a medida.

Os projetos de resolução do CDS-PP e do PSD foram rejeitados com os votos a favor do PSD e CDS-PP, a abstenção do PAN e os votos contra das restantes bancadas.

As iniciativas do BE, PCP e do PEV foram chumbadas com os votos contra de PS, PSD e CDS e os votos a favor das restantes bancadas e dos deputados socialistas do Algarve.

Na discussão das iniciativas em plenário na quinta-feira, o deputado socialista António Eusébio defendeu que uma eventual diminuição do preço das portagens na Via do Infante, no Algarve, depende da avaliação do aumento de tráfego, que mantenha a receita do Estado.

“Hoje podemos afirmar com maior convicção que a diminuição dos valores das portagens gera um aumento de tráfego e, consequentemente, reduzindo o custo das mesmas, poderemos continuar a manter a receita do Estado, mantendo os compromissos orçamentais e melhorando a mobilidade regional, e com é essa monitorização que o Governo deverá decidir diminuir ou valor ou não das portagens”, afirmou.

Segundo António Eusébio, “Portugal não dispõe de condições financeiras e económicas para defender uma solução livre de portagens” e por isso, “responsavelmente, o compromisso do PS foi o de progressivamente diminuir o valor das portagens da A22”.

“Já iniciámos esse caminho”, afirmou, acusando PSD e CDS de não terem feito nada em mais de quatro anos de governação.

“Apesar da redução de 15% das tarifas na Via do Infante, decidida e implementada no passado verão pelo atual Governo, demonstrar uma evolução positiva, que deve ser ampliada nos próximos anos, ao longo da presente legislatura, para a correção de uma injustiça, que, em nosso entender, é gritante”, sustentou.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portagens mais baratas no Algarve? Parlamento diz que não

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião