EDP e sindicatos chegam a acordo para aumento salarial

  • Lusa
  • 19 Abril 2017

Entre proposta e contraproposta, a EDP e os sindicatos acordaram um aumento dos salários de 1,7% a ter efeito ainda este ano.

A Energias de Portugal (EDP) e a Fiequimetal chegaram hoje a acordo para uma atualização salarial de 1,3% para este ano, revelou Joaquim Gervásio, porta-voz da federação intersindical, à Lusa.

“Chegámos a acordo, mas foi um bocado ‘arrancado a ferros’, porque a empresa não queria dar um aumento significativo aos trabalhadores”, avançou o responsável da Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgicas, Químicas, Eléctricas, Farmacêutica, Celulose, Papel, Gráfica, Imprensa, Energia e Minas (Fiequimetal).

“Num ano em que a empresa [EDP] subiu os seus lucros em 5,0% [para 961 milhões de euros] e vai aumentar em 3,0% os dividendos distribuídos aos acionistas, andou três meses a oferecer aos trabalhadores um aumento de apenas 0,7%”, realçou Joaquim Gervásio, no final da reunião com a administração em que foi alcançado o acordo para o aumento salarial de 1,3% em 2017 e para o prémio de produtividade.

"Chegámos a acordo, mas foi um bocado ‘arrancado a ferros’, porque a empresa não queria dar um aumento significativo aos trabalhadores.”

Joaquim Gervásio

Porta-voz da Fiequimetal

“Foi o acordo possível. É um aumento na mesma linha do ano anterior e só foi possível com muito esforço”, vincou o porta-voz da Fiequimetal. Inicialmente, os sindicatos que integram esta federação pediam uma atualização salarial de 4%, tendo a EDP oferecido os já mencionados 0,7%. Na contra resposta, a Fiequimetal baixou a exigência para os 3,1% e as posições mantiveram-se inalteradas até à reunião de hoje.

“A EDP teria condições mais do que suficientes para dar maior qualidade de vida aos trabalhadores”, considerou Joaquim Gervásio, acrescentando que está convencido que o facto de se realizar hoje a assembleia-geral anual de acionistas da EDP ajudou a consumar o acordo relativamente a esta matéria.

A atualização salarial é extensível à totalidade dos cerca de seis mil trabalhadores do grupo em Portugal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP e sindicatos chegam a acordo para aumento salarial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião