Altice garante que não haverá despedimento coletivo na PT. Há “muitos rumores”

  • Lusa
  • 23 Maio 2017

Michel Combes garantiu que não há qualquer plano de despedimento coletivo na PT Portugal. "Foram feitos ajustes em todas as operações", mas afasta a possibilidade de novas reduções.

O presidente executivo da Altice, Michel Combes, garantiu hoje que não há qualquer plano de despedimento coletivo na PT Portugal e afirmou que existem “muitos rumores” sobre a empresa.

“Não há planos de despedimento coletivo”, garantiu Michel Combes, em entrevista à Lusa, em Nova Iorque, referindo-se a informações divulgadas recentemente na imprensa portuguesa sobre um eventual despedimento coletivo de cerca de 3.000 trabalhadores ou sobre a alegada tentativa de afastar os cerca de 3.500 pré-reformados.

Michel Combes, que está em Nova Iorque para anunciar a adoção da marca global única Altice, admitiu que “foram feitos ajustes em todas as operações”, até porque a empresa quer “maior eficiência”, mas excluiu a possibilidade de despedimento coletivo.

“Sobre os pré-reformados, foi uma decisão que foi tomada antes de comprarmos a PT. Sobre o resto, o que posso dizer é que não há planos de despedimento coletivo. Não posso comentar algo que não é realidade”, reforçou.

Michel Combes afirmou-se “surpreendido” com a existência de “muitos rumores”: as divergências de administradores com a estratégia da empresa, a suposta venda do segmento empresarial da PT à Telefónica ou ainda a compra pela Altice dos 95% da participação da Visabeira na Fibroglobal (que recebeu fundos públicos para a criação de uma rede de fibra em zonas rurais).

Em 21 de abril, a Lusa noticiou que Guy Pacheco deixou o lugar de administrador financeiro (CFO) da PT Portugal, depois de também Luís Nascimento (pelouro comercial) ter saído da administração da operadora de telecomunicações do grupo Altice.

Segundo declarações anteriores à Lusa de uma fonte ligada ao processo, a razão da saída de Guy Pacheco deveu-se, essencialmente, a “divergências com o atual projeto empresarial definido para a empresa”.

Mas hoje Michel Combes dá a sua versão dos factos: “As duas pessoas que saíram, que respeito e que eram duas referências da administração e dois excelentes executivos da PT, fizeram-no por razões pessoais segundo sei. Não vou questionar essas razões, mas nunca os ouvi durante o tempo que estiveram na PT a questionar a estratégia e sempre se mostraram muito confortáveis com a estratégia do grupo”.

“Felizmente temos pessoas muito talentosas, que podemos promover. Mas, uma vez mais, sobre esta questão de terem saído em divergência com a estratégia, eles nunca o manifestaram enquanto estiveram na empresa e nunca os ouvi a dizer isso desde que saíram. Ouvi pessoas a dizer que se calhar saíram por talvez não estarem de acordo com a estratégia – rumores”, acrescentou.

De acordo com o presidente executivo da Altice, os exemplos sucedem-se e também passam pela Fibroglobal e a alegada venda do segmento empresarial à Telefónica.

“Vender à Telefónica é uma piada, não sei de onde vem. Vender o B2B (segmento empresarial)? Nós estamos a reforçar este segmento. Temos um excelente responsável pelo B2B em Portugal, estamos muitos contentes com este negócio e queremos crescer e desenvolvê-lo”, avançou.

E sobre a Fibroglobal acrescentou: “Eu saberia se tivesse sido eu a comprar. Eu sou presidente executivo da Altice, saberia sempre mesmo se fosse uma empresa da Altice a fazê-lo. A PT teve sempre 5% de participação nesta empresa. Os restantes 95% eram detidos por uma empresa que não faz parte da Altice, estes mudaram de donos e não foram adquiridos pela Altice”, frisou.

“Desconheço a origem de tanto rumor”, disse Michel Combes, admitindo que tem de ir mais vezes a Portugal e que a Altice não tem “estes rumores em mais lado nenhum”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Altice garante que não haverá despedimento coletivo na PT. Há “muitos rumores”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião