Petróleo cai 2,5%. Quebra dos inventários nos EUA pesa

A matéria-prima prepara-se para o pior registo semanal num mês. Enquanto caem os inventários nos EUA, a produção da OPEP cresce.

O petróleo conhece mais um dia de fortes perdas. O preço do barril da matéria-prima desliza 2,5% nos dois lados do Atlântico, preparando-se para o pior registo semanal em um mês. As reticências relativamente à capacidade da OPEP em conseguir reequilibrar o mercado global de petróleo alimentam a desvalorização das cotações, sobretudo depois de dados divulgados nesta quinta-feira nos EUA indicarem que os inventários de crude caíram o dobro do esperado na última semana.

O preço do barril de Brent, transacionado em Londres, desliza 2,43%, para 49,4 dólares, enquanto o West Texas Intermediate negociado em Nova Iorque perde 2,44%, para 47,18 dólares. Mas a matéria-prima já chegou a estar a perder mais de 3%. A manterem-se as quedas registadas nesta sessão, a matéria-prima acumulará o pior registo semanal do último mês. E vai permitir uma descida dos preços dos combustíveis.

Brent cai mais de 5% na semana

Fonte: Bloomberg

A recente queda das cotações do “ouro negro” acontece num contexto em que as dúvidas relativamente à eficácia dos cortes de produção acordados entre os países da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP). Os últimos dados conhecidos nos EUA sobre a produção de petróleo reforçam precisamente isso. Na quinta-feira foi conhecido que os inventários de crude caíram na semana passada o dobro do estimado, enquanto a subida das exportações e da produção sugere que o excesso de produção é persistente. A produção de petróleo da OPEP subiu em maio, liderada por avanços da produção da Líbia e Nigéria, países que estão isentos de cortes na oferta.

“O mercado está a testar a OPEP no sentido de uma ação mais forte”, afirmou Olivier Jakob, diretor-geral da consultora Petromatrix GmbH. “As exportações de petróleo dos EUA contribuíram fortemente para o esvaziamento dos stocks de crude. Enquanto os stocks de petróleo continuarem a cair devido às elevadas exportações e às baixas importações à OPEP, será difícil ter uma forte recuperação dos preços”, acrescentou o mesmo especialista.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Petróleo cai 2,5%. Quebra dos inventários nos EUA pesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião