Fuga de depósitos leva Santander a injetar 13 mil milhões no Popular

  • ECO
  • 27 Junho 2017

O banco liderado por Ana Botín teve de injetar 13 mil milhões no Popular para evitar a derrocada do banco resolvido. Uma injeção que acabou por ser superior ao que estava previsto inicialmente.

Na noite de 6 para 7 de junho, o Popular foi intervencionado pelo Banco Central Europeu, liquidado e comprado pelo Santander. Vinte dias depois, começam a ser revelados alguns pormenores sobre os acontecimentos que precipitaram a queda do banco. O Popular observou uma fuga de depósitos. E, por causa dessa pressão de liquidez, o Santander teve de injetar 13.000 milhões de euros para evitar a derrocada do banco resolvido.

Fonte próxima do assunto afirmou ao El País (conteúdo em espanhol) que o Popular percebeu que a partir de dia 7 de junho não seria capaz de responder aos pedidos de resgate de depósitos que estavam a receber nos escritórios, nos balcões e através da internet. Os problemas do banco foram agravados pelo facto de, entre os depositantes, estarem investidores institucionais, que retiraram montantes elevados.

Entre 2 e 5 de junho, a fuga de depósitos estava na ordem dos 2.000 milhões de euros por dia. E aumentou ainda mais no dia seguinte. O BCE acabou por intervir e o banco foi vendido ao Santander por apenas um euro depois de sete dias em queda na bolsa e do ultimato de Bruxelas, no âmbito de uma medida de resolução.

O banco liderado por Ana Botín acabou por ter de injetar 13 mil milhões para responder a todos os pedidos e limitar a saída de dinheiro. É, sem margem de dúvida, uma das maiores transferências de dinheiro em Espanha num período tão curto de tempo, de acordo com fontes próximas do processo de venda. Inicialmente, estava previsto que este montante fosse inferior. Quando o Banco Santander avançou com a compra, assumiu ainda a intenção de avançar com um aumento de capital de cerca de sete mil milhões de euros, com vista a fazer face ao impacto desta aquisição.

Esta fuga de capital só parou mesmo no dia 12 do mesmo mês, avançam fontes do setor. Entre abril e a sua intervenção, o banco liderado por Emilio Saracho, entregou perto de 18 mil milhões de euros aos clientes, de acordo com estimativas a que o El País teve acesso.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fuga de depósitos leva Santander a injetar 13 mil milhões no Popular

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião