PCP propõe programa de emergência para os transportes públicos

  • Lusa
  • 5 Julho 2017

A proposta comunista prevê uma revisão das privatizações e parcerias público privadas na área dos transportes, e uma intervenção urgente no Metro de Lisboa, Carris, Transtejo, Soflusa, CP e STCP.

O PCP propôs hoje um programa de emergência, com fundos públicos, para o investimento nos transportes públicos, que passa pela “revisão global” das concessões, privatizações e parcerias público privadas.

“Os governos não podem apenas reagir quando acontece uma tragédia”, afirmou Vasco Cardoso, membro da Comissão Política do PCP, em conferência de imprensa, na sede nacional do partido, em Lisboa. Os “recentes acontecimentos”, como os incêndios florestais, “provam que o povo português está a pagar bem cara a política de abandono e degradação dos serviços públicos, das empresas públicas e das funções do Estado”, justificou.

O programa de emergência anunciado pelo PCP visa garantir “condições de funcionamento eficaz e um sistema de transportes públicos nacional, um passe social intermodal alargado e acessível nas áreas metropolitanas”.

Vasco Cardoso concretizou que o plano “requer uma urgente mobilização de recursos” ainda em 2017 para uma “intervenção no Metro de Lisboa, Carris, Transtejo, Soflusa, CP, STCP de modo a libertá-las do “sufoco financeiro em que se encontram”.

O objetivo é conseguir a “contratação de centenas de trabalhadores que são necessários”, repor “serviços degradados ou mesmo extintos”, ‘stocks’ de peças, além de um saneamento financeiros das empresas, “repondo e cumprindo” as indemnizações compensatórias” e libertando-as progressivamente da “situação de dependência e submissão à banca”.

Em cinco páginas, o PCP faz uma avaliação dos problemas e atual estado do setor dos transportes, empresa a empresa, de onde ressaltam o atraso na contratação de maquinistas no Metro de Lisboa, supressão de carreiras na Carris, a “ameaça para o futuro” da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) que pode ser o processo de municipalização.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PCP propõe programa de emergência para os transportes públicos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião