Portugal e França vão “trabalhar em conjunto” para união monetária

Emmanuel Macron e António Costa almoçaram juntos para debater a união económica e monetária da Europa. Querem apresentar propostas concretas nos próximos meses.

Portugal e França têm “uma vontade conjunta de avançar na união económica e monetária” da Europa e, nos próximos meses, vão apresentar propostas para esta matéria. As palavras são de Emmanuel Macron e António Costa, que estiveram reunidos pela primeira vez, esta sexta-feira, em Paris.

"Temos uma vontade comum de alcançar uma maior integração na Zona Euro, relançar o investimento e acompanhar as reformas que todos os países deverão implementar.”

Emmanuel Macron

Presidente de França

Temos uma vontade conjunta de avançar na união económica e monetária. E temos uma vontade comum de alcançar uma maior integração na Zona Euro, relançar o investimento e acompanhar as reformas que todos os países deverão implementar”, começou por dizer o presidente de França, em declarações transmitidas pela RTP 3, após o almoço com o primeiro-ministro português.

Este “reforço da Zona Euro” será, assim, “uma prioridade” que será trabalhada pelos dois países nos próximos meses, adiantou Macron.

Entre os temas a serem trabalhados em conjunto, para além da união monetária e económica, estarão também a segurança, a globalização económica e as alterações climáticas. “Podemos projetar novos avanços, nomeadamente no domínio da segurança e da Defesa. Por outro lado, queremos avançar em conjunto com a concretização dos objetivos ambiciosos do Acordo de Paris. É fundamental termos um melhor mix energético e reforçar as conexões entre a Península Ibérica, França e resto da Europa. Isto ajudará a ter energia mais limpa, mais segura e a contribuir para objetivo de França de reduzir em 50% a utilização da energia nuclear”, disse António Costa.

Neste âmbito, o presidente francês vai deslocar-se a Portugal, no início de 2018, para uma participar numa cimeira sobre interligações energéticas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal e França vão “trabalhar em conjunto” para união monetária

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião