Algarve e energia: a atração pelo sol

  • Filipe S. Fernandes
  • 8 Agosto 2017

Região reúne condições essenciais para o aproveitamento da energia solar, eólica e das marés. E o número de horas de sol e com pouca variação ao longo do ano é um fator essencial.

Em termos de consumo de eletricidade, o Algarve estava em 2015 com 2149,9 GWh a recuperar dos consumos de 2012 que foi de 2171,1, depois das quedas em 2013 e 2014. Por sua vez, a rede de gás natural já abrange concelhos como Albufeira, Castro Marim, Loulé, Silves Vila Real de Santo António, Lagos mas o consumo concentra-se sobretudo em Portimão, Olhão e Faro.

O Algarve reúne uma série de condições essenciais que podem levar ao desenvolvimento de uma cadeia de valor dinâmica em energias renováveis devido às condições climáticas adequadas para o aproveitamento da energia solar, eólica e das marés, é a região com o maior número de horas de sol e com pouca variação ao longo do ano, por exemplo, em Vila Real de Santo António, Faro, Portimão ou em Castro Marim registam-se mais de 300 dias sem chuva. E existem centros de investigação académica e experiência ativa de cooperação com empresas e entidades públicas e universidades.

Recentemente foi anunciada a mega central fotovoltaica de Alcoutim, que terá 200 megawatts (MW) de potência, será a maior em Portugal e a segunda maior da Europa. Os promotores incluem a empresa portuguesa Solara4, a China Triumph International e a irlandesa Welink. A construção de uma central desta escala ocupará 594 hectares. Três delas estão previstas para o concelho de Alcoutim e uma para Lagoa.

Estão em processo de decisão centrais fotovoltaicas em Lagoa — composta por 163.001 painéis fotovoltaicos de potência unitária de 300 Wp, numa potência instalada total de 48.900 W/kVA — e uma semelhante em São Marcos de Alcoutim. Neste concelho estão ainda previstas uma em Pereiro com 95.670 painéis e uma potência total de 28.700 W/kVA e, em Albercas, com 94.662 painéis e uma potência instalada de 28.400 W/kVA.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Algarve e energia: a atração pelo sol

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião