Calçado português em destaque na feira de Milão

  • Lusa
  • 17 Setembro 2017

Quase uma centena de empresas portuguesas levaram à feira italiana MICAM 16.000 amostras de sapatos e artigos de pele. É a segunda maior delegação nesta que é a maior feira do mundo deste setor.

Noventa e seis empresas portuguesas de calçado levam, desde este sábado até quarta-feira, a Milão, o que de melhor se faz no setor em Portugal, que volta a destacar-se como a segunda maior delegação estrangeira na feira internacional MICAM. De acordo com a Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes, Artigos de Pele e Seus Sucedâneos (APICCAPS), que organiza a participação nacional naquela que é a maior feira do mundo do setor, as empresas portuguesas presentes são responsáveis por 8.300 empregos e 550 milhões de euros de exportações.

Foram vinte e oito os camiões que transportaram até Milão as 16.000 amostras de sapatos e artigos de pele que Portugal leva à maior feira de calçado do mundo, num investimento de dois milhões de euros, que implica 10 dias de trabalho. Para assinalar a aposta nacional na feira de Milão – que, em dimensão, apenas é superada pela delegação espanhola – o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e os secretários de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, e da Indústria, Ana Lehmann, visitam hoje os expositores portugueses participantes.

Segundo destaca a APICCAPS, esta nova aposta do setor em Itália acontece num ano em que as exportações portuguesas de calçado “caminham para novo máximo histórico”, a manter-se o ritmo de crescimento de 6,3% registado até junho. “Portugal exportou, no primeiro semestre de 2017, 43 milhões de pares de calçado no valor de 960 milhões de euros. A confirmarem-se estes valores até final do ano, este será o oitavo ano de crescimento do calçado português nos mercados externos”, sustenta a associação.

Exportações no setor voltaram a crescer no primeiro semestre de 2017

E se “desde 2009 as vendas de calçado português nos mercados internacionais aumentaram 60%, passando de 1.200 milhões para praticamente 1.950 milhões de euros no final do último ano”, na primeira metade de 2017 as exportações do setor voltaram a crescer “em praticamente todos os mercados relevantes”.

Na União Europeia (UE) a subida foi de 5,2%, “fruto dos bons desempenhos em países como França (mais 4% para 202 milhões de euros), Holanda (mais 6% para 136 milhões de euros) e Alemanha (mais 8% para 181 milhões de euros)”, sendo que para Itália as exportações de calçado português somaram 27 milhões de euros, enquanto as importações se ficaram pelos 24 milhões, resultando num saldo comercial positivo de três milhões de euros. Fora do espaço europeu, o destaque vai para os EUA (mais 7% para 35 milhões de euros), Rússia (mais 32% para 13 milhões de euros), Canadá (crescimento de 30% para 12 milhões de euros), Angola (mais 126% para 11 milhões de euros) e Japão (aumento de 6% para 11 milhões de euros).

Atualmente, a indústria portuguesa de calçado exporta mais de 95% da sua produção para 152 países dos cinco continentes. Ao todo, desde sábado até quarta-feira, marcarão presença na feira de Milão mais de 1.600 expositores de aproximadamente 50 países, sendo aguardados mais de 40 mil visitantes profissionais.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Calçado português em destaque na feira de Milão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião