PGR abre inquérito ao caso dos 10 mil milhões das offshores

Depois de meses a recolher elementos sobre o caso dos 10 mil milhões de euros transferidos para offshores que escaparam ao controlo do Fisco, a PGR abriu um inquérito.

Desde fevereiro que o Ministério Público está a recolher elementos para decidir se abriria um inquérito às transferências para paraísos fiscais que não foram alvo de controlo pela Autoridade Tributária. A decisão foi tomada este verão: em agosto, a PGR decidiu abrir um inquérito, mas ainda não existem arguidos. A notícia foi avançada esta sexta-feira pelo Jornal Económico e foi confirmado pelo ECO.

“Os elementos recolhidos deram origem a um inquérito, o qual foi remetido ao DIAP de Lisboa”, esclarece a Procuradoria-Geral da República, em resposta ao ECO. Segundo o gabinete de Joana Marques Vidal, “o inquérito foi instaurado em agosto de 2017, encontra-se em investigação, não tem arguidos constituídos e está em segredo de justiça“.

Em causa estão os dez mil milhões de euros que terão sido transferidos para jurisdições offshore sem terem sido vigiados pela Autoridade Tributária. A auditoria da Inspeção Geral das Finanças, revelada no final de junho, não foi totalmente conclusiva. “Não foi encontrada explicação” para o ‘apagão’ seletiva das offshores, concluía o relatório da IGF.

Por um lado, a IGF afirmou que não conseguiu apurar uma explicação informática para o erro, ainda que tenha escrito que tudo aponta para um problema no software. Por outro lado, o relatório da Inspeção-Geral das Finanças dizia ser “extremamente improvável” que tenha existido mão humana no ‘apagão’ dos 10 mil milhões de euros denunciado no início deste ano.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PGR abre inquérito ao caso dos 10 mil milhões das offshores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião