CGD no défice? Moody’s vê “impacto limitado” no rating de Portugal

  • Margarida Peixoto
  • 23 Setembro 2017

A agência de notação financeira desvaloriza o eventual impacto da CGD no défice. O que importa é a tendência sem efeito de medidas extraordinárias, diz Evan Wohlmann.

Mesmo que a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) empurre o défice orçamental de 2017 para mais de 3% do PIB, isso não preocupa a agência de rating Moody’s. O impacto no racional do défice é “limitado,” diz a agência, em declarações ao ECO.

A inclusão potencial dos custos da recapitalização da CGD (que podem atingir no máximo 2,1% do PIB) nos cálculos da Comissão Europeia pode elevar o défice de Portugal para mais de 3% do PIB,” reconhece Evan Wohlmann, vice-presidente e analista sénior da Moody’s e o responsável pelo acompanhamento de Portugal, ao ECO.

O impacto no perfil de crédito de Portugal é limitado. (…) O défice orçamental subjacente, excluindo impactos temporários do setor bancário, tem vindo numa tendência descendente desde 2010.

Evan Wohlmann

Vice-presidente e analista sénior da Moody's

“Contudo, o impacto no perfil de crédito de Portugal é limitado já que a recapitalização foi pré-financiada em 2016 e já impactou a dívida pública no ano passado,” argumenta Evan Wohlmann. “Efetivamente, o défice orçamental subjacente, excluindo impactos temporários do setor bancário, tem vindo numa tendência descendente desde 2010, o que justificou a nossa alteração da perspetiva de rating da dívida portuguesa Ba1 para positiva,” soma.

Estas declarações do responsável da Moody’s foram feitas ao ECO na quinta-feira, ainda antes de terem sido revelados os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) que reforçam a tendência de diminuição do défice. No primeiro semestre de 2017, o défice foi de 1,9%, abaixo do valor registado no mesmo período do ano passado. O INE reviu ainda a taxa de crescimento do segundo trimestre em alta, para 3%.

Este valor não contabiliza ainda o potencial impacto da recapitalização da Caixa, cujas discussões técnicas entre o INE e o Eurostat continuam. Tal como o Eurostat disse à Lusa, a decisão deverá ser revelada “nas próximas semanas.”

Também esta sexta-feira Mário Centeno, ministro das Finanças, desvalorizou o impacto de um eventual registo da operação no défice, frisando que tal não será relevante para a avaliação que a Comissão Europeia faz do desempenho orçamental de Portugal. O mesmo frisou António Costa, primeiro-ministro, que argumentou que “não é uma questão de compreensão”, mas antes uma questão que “faz parte das regras.”

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

CGD no défice? Moody’s vê “impacto limitado” no rating de Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião