Ricardo Reis: “Não vejo razões para estar muito eufórico com crescimento”

O economista Ricardo Reis prefere "não embandeirar em arco" com o desempenho da economia. "Temos de recuperar de um enorme buraco que criámos em 17 anos", explicou.

São boas notícias, não foram uma surpresa, mas não deixam o economista Ricardo Reis satisfeito. O INE reviu em alta o crescimento da economia portuguesa para 3% no segundo trimestre, mas o professor da London School of Economics não vê “razões para estar muito eufórico”.

“A economia está a recuperar, mas temos 17 anos de não crescimento para recuperar. Como tal, não há razão nenhuma para embandeirar em arco e para achar que estamos a ter uma performance fantástica”, referiu ao ECO Ricardo Reis, à margem de uma conferência do Banco de Portugal sobre gestão de riscos nos bancos centrais. “Não quero com isto minorar as boas notícias de que a economia está a recuperar”, disse ainda.

Reis considerou ainda que será preciso esperar cerca um ano para saber se se trata de um crescimento económico que é sustentável e mais duradouro porque “em termos de ciclos económicos não há ainda dados suficientes” para fazer essa análise.

Assim, só dentro de um ano é que “vamos ver se o crescimento é sustentável tendo em conta que não basta apenas crescer, mas temos de crescer acima da média europeia, e temos de crescer a um ritmo acelerado de forma a recuperar o enorme buraco que criámos nos últimos 17 anos”, referiu.

"A economia está a recuperar, mas temos 17 anos de não crescimento para recuperar. Como tal, não há razão nenhuma para embandeirar em arco e para achar que estamos a ter uma performance fantástica.”

Ricardo Reis

Economista

Orçamento? Mais do mesmo

A cerca de três semanas da apresentação do Orçamento do Estado para 2018, Ricardo Reis não espera grandes novidades. “Que seja este orçamento seja responsável e que continue comprometido com as metas europeias em termos de défice que temos de alcançar”, declarou o economista. “Espero que seja um pouco mais do mesmo”, disse.

Ainda assim, não deixou de apontar o que desejaria ver incluído na proposta orçamental: reforma do Estado e redução da carga fiscal.

“Embora não esteja à espera que isso aconteça, gostava que houve maior enfoque na redução do Estado e sobretudo na redução dos impostos que são muito pesados e na despesa muito ineficiente que continua a assistir-se”, considerou o professor de Economia.

Comentários ({{ total }})

Ricardo Reis: “Não vejo razões para estar muito eufórico com crescimento”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião