Marcelo: “Sou muito determinado naquilo que são as linhas do mandato”

  • Lusa
  • 27 Outubro 2017

O Presidente da República defendeu esta sexta-feira que o seu mandato não muda nesta fase da vida política nacional. "Sou muito determinado naquilo que são as linhas do mandato", disse nos Açores.

Marcelo Rebelo de Sousa descreveu-se esta sexta-feira como uma pessoa tranquila e um Presidente determinado quanto às linhas do mandato, defendeu que o seu papel é o mesmo nesta fase da legislatura e afirmou que não muda. “Eu não mudo”, afirmou o Presidente da República, em declarações aos jornalistas, no final de uma visita à Escola Básica e Integrada Gaspar Frutuoso, na Ribeira Grande, na ilha de São Miguel, nos Açores.

O chefe de Estado descreveu-se como uma pessoa “muito serena e tranquila”, na aparência e na realidade, e acrescentou: “Por detrás disso, sou muito determinado naquilo que são as linhas do mandato, que, aliás, correspondem àquilo que recebi dos eleitores na base do que me comprometi a fazer na campanha eleitoral. Portanto, não vai haver mudanças”.

Questionado se tem um novo papel nesta etapa da vida política nacional, respondeu: “É sempre o mesmo. O Presidente, do princípio até ao fim do mandato, tem sempre exatamente os mesmos poderes, não mudam, a Constituição é a mesma, tem a mesma leitura dos poderes, não muda”, respondeu.

Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou que mantém “a mesma exigência” na procura de que haja “compromissos nacionais de regime, quando for possível”, de que “o Governo seja forte e governe e dure a legislatura” e que também “a oposição seja forte e constitua uma alternativa para o caso de os portugueses no momento das eleições – que decorrem ainda no mandato presidencial – quererem escolher uma outra solução de governo”.

O Presidente da República disse ainda que continua com a mesma linha “no domínio das relações internacionais” e na preocupação com “a descrispação, o diálogo social, a concertação social”, concluindo: “Foi assim, é assim, será assim. Eu não mudo”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo: “Sou muito determinado naquilo que são as linhas do mandato”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião