Joalharia portuguesa à boleia das novas tendências do luxo

  • Lusa
  • 30 Outubro 2017

Segundo Fátima Santos, a joalharia portuguesa “sempre foi reconhecida internacionalmente pelo perfeccionismo da arte e pela atenção ao detalhe”.

A secretária-geral da Associação de Ourivesaria e Relojoaria de Portugal (AORP) defende que a joalharia portuguesa se tem vindo a afirmar no âmbito das novas tendência do luxo através com “uma joalharia arrojada, contemporânea e exclusiva”.

“Estamos numa fase em crescendo. Há cinco anos a AORP começou a investir numa estratégia de internacionalização, pois anteriormente a generalidade das microempresas produziam para o mercado interno. Já deixámos a fase do experimentalismo e passámos para uma fase mais madura e de arrojo da joalharia contemporânea”, disse à agência Lusa Fátima Santos.

A joalharia portuguesa tem também vindo afirmar-se a nível global pela “sua criatividade e design”, prosseguiu, lembrando que a escolha do designer português Bruno da Rocha, eleito para o cartaz de promoção do evento de joalharia contemporânea, em Amesterdão, na Sieraad Art Fair, que decorre de 9 a 12 de novembro, “é demonstrativo” desse percurso.

Em declarações à Lusa, Fátima Santos realçou que “o ambiente dos novos tipos de luxo está associado à experiência, à marca, ao conceito de autor e à exclusividade”. Nesse sentido, os autores Bruno da Rocha, Carla_M_Jewellery, Cecília Ribeiro e Sopro Jewellery vão participar, em Amesterdão, na Sieraad Art Fair, evento que está vocacionado para a joalharia contemporânea e irá reunir cerca de 160 ‘designers’ de mais de 40 países.

Os novos criadores portugueses apresentam neste evento “conceitos e estéticas inovadoras, estão a despertar a atenção internacional”, refere a AORP em comunicado.

“Trata-se da chancela de qualidade e de prestígio em termos de joalharia e o caminho internacional da joalharia de autor, apesar de ser relativamente recente, mas em crescendo, permite ao setor em Portugal apresentar peças menos tradicionais e mais arrojadas”, explicou à Lusa Fátima Santos.

Em Portugal, a joalharia tradicional “não está associada à massificação”, tirando uma ou outra empresa.

Os criadores fazem/criam normalmente peças em pequena escala, pelo que o setor sendo atomizado é constituído por microempresas que em média têm dois a três trabalhadores.

Daí que pela atual tipologia do setor da joalharia a AORP entende que “há um potencial e uma dinâmica muito grande a nível internacional”, além de que a internet também tem vindo a dar “uma grande visibilidade” pelo que “as oportunidades “são grandes”.

Segundo Fátima Santos, a joalharia portuguesa “sempre foi reconhecida internacionalmente pelo perfeccionismo da arte e pela atenção ao detalhe”.

“Mas hoje, as atenções viram-se para as marcas de autor que, aliando este nosso saber-fazer a novos conceitos e linguagens criativas, colocam Portugal no mapa do design contemporâneo internacional”, disse.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Joalharia portuguesa à boleia das novas tendências do luxo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião