Credores querem suspender voto de membros da administração da OI indicados pela Pharol

  • Lusa
  • 8 Novembro 2017

Grandes credores pediram à justiça brasileira que suspenda o direito de voto dos administradores indicados pela Pharol e pela Société Mondiale em assuntos relacionados com o plano de recuperação da Oi

Os grandes credores da Oi pediram à justiça brasileira que suspenda o direito de voto dos administradores indicados pela Pharol e pelo fundo Société Mondiale em qualquer assunto que diga respeito ao plano de recuperação judicial da operadora.

A solicitação foi feita por grupos de obrigacionistas representados pelo banco Moelis & Company e pela consultora G5/ Evercore numa petição assinada terça-feira à noite, na 7ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, onde tramita o processo de recuperação judicial da Oi.

No documento, os credores afirmam que as medidas aprovadas na última sexta-feira pelo Conselho de Administração da Oi – que deu posse a dois novos administradores – são a “cereja no bolo” de um suposto “conflito de interesses e de abuso de direito com que vêm agindo os acionistas minoritários (Pharol e Societé Mondiale)”.

“A influência indevida de acionistas minoritários controladores e de alguns integrantes do Conselho de Administração tem gerado instabilidade e insegurança jurídica, comprometendo o resultado útil desta recuperação judicial”, alegaram os advogados dos credores na petição.

Além da suspensão do direito de voto no Conselho de Administração da empresa, os credores também solicitaram a suspensão da posse de dois novos diretores estatutários eleitos para o Conselho de Administrativo da Oi na semana passada.

A Bratel, subsidiária da portuguesa Pharol, é acionista minoritária de referência com 22% das ações da Oi.

A operadora de telecomunicações brasileira entrou com um pedido de recuperação judicial em junho do ano passado por não conseguir negociar as dívidas, que na época somavam 65 mil milhões de reais (17,3 mil milhões de euros).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Credores querem suspender voto de membros da administração da OI indicados pela Pharol

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião