Costa não vai pedir fiscalização preventiva das alterações à lei do financiamento dos partidos

Primeiro-ministro diz que agora é tempo de apreciação do Presidente da República. Marcelo sugeriu aos partidos o envio prévio da nova lei ao Tribunal Constitucional.

“Este é tempo de apreciação do Presidente da República”, adianta a SIC Notícias. O primeiro-ministro comenta assim o apelo de Marcelo que, esta quarta-feira, sugeriu aos partidos o envio prévio da nova lei do financiamento dos partidos para o Tribunal Constitucional (TC) e disse só poder decidir daqui a uma semana se veta ou promulga a nova lei.

“O primeiro-ministro não vê motivos de ordem constitucional para suscitar a fiscalização preventiva” deste diploma, confirma fonte oficial de S. Bento ao ECO. António Costa não vai pedir a fiscalização preventiva das alterações à lei do financiamento dos partidos: considera que esta é uma matéria da Assembleia da República e que as alterações foram aprovadas por uma “larga maioria”. Além do primeiro-ministro, um quinto dos deputados também pode pedir a fiscalização preventiva do diploma.

O primeiro-ministro não vê motivos de ordem constitucional para suscitar a fiscalização preventiva.

Fonte oficial de S. Bento

O Parlamento mudou o financiamento dos partidos e apenas o CDS e o PAN divergiram na isenção total do IVA e no fim do teto das receitas de angariação de fundos. Ambos os partidos pediram esta quarta-feira ao Presidente da República para vetar a lei. Assunção Cristas disse que as alterações são “inadmissíveis e escandalosas”. Já o PAN, pela voz de Francisco Guerreiro, da comissão política nacional do partido, pediu mais transparência no possesso.

Pouco depois, numa nota divulgada no site da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa disse tratar-se de uma Lei Orgânica, isto é, “de um diploma sobre o qual o Presidente da República não se pode pronunciar antes de decorridos oito dias após a sua receção”. Mas sugeriu ao primeiro-ministro ou aos partidos com assentos parlamentar para pedirem a fiscalização preventiva.

Um quinto dos deputados implica que 46 deputados solicitem a fiscalização prévia do documento pelo Tribunal Constitucional, um número que só é possível perfazer ou pelo PS, ou pelo PSD, ou pelo somatório de vários deputados de diferentes partidos. Para já apenas o Bloco de Esquerda admitiu estar disponível para melhorar as alterações realizadas. Já o PSD, PS, PCP e PEV uniram-se para defender as mudanças.

(Atualizado pela última vez às 20h20)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa não vai pedir fiscalização preventiva das alterações à lei do financiamento dos partidos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião