Passar as pontes sobre o Tejo vai custar até mais 20 cêntimos

O novo ano traz novos preços nas portagens. Nas auto-estradas, 37% dos pórticos vão ficar mais caros, já nas pontes sobre o Tejo só há aumentos. Atualização dos preços chega aos 20 cêntimos.

Vive na Grande Lisboa? Utiliza as pontes sobre o Tejo? Então, prepare a carteira. Os preços vão subir a partir de 1 de janeiro, havendo um aumento de cinco cêntimos no valor da portagem para os automóveis ligeiros, os de Classe 1, mas a atualização dos preços chega a 20 cêntimos para os veículos pesados.

Um automóvel de Classe 1 paga, atualmente, 1,75 euros de portagem na Ponte 25 de Abril. A partir de dia 1, com a atualização dos preços que está prevista no contrato de concessão com a Lusoponte, o valor a pagar aumentará em cinco cêntimos. Passa para 1,80 euros. No caso da Vasco da Gama, os 2,75 passam a 2,80 euros.

Na Classe 2, de acordo com informação fornecida por fonte da Secretaria de Estado das Infraestruturas ao ECO, o aumento é maior: dez cêntimos. Muitos SUV são considerados Classe 2 nas portagens portuguesas, a menos que tenham identificador automático, pelo que vão passar a pagar 3,95 euros na 25 de Abril e 6,35 euros na Vasco da Gama (contra os 3,85 e 6,25 euros atuais, respetivamente).

O mesmo aumento será aplicado à Classe 3, já no caso da Classe 4, a que categoriza os camiões, haverá um agravamento de dez cêntimos no preço a pagar na 25 de abril, que sobe de 7,00 para 7,10 euros. Na Vasco da Gama, o aumento é mais expressivo: em vez dos atuais 11,80 euros, estes veículos terão de pagar 12,00 euros. São mais 20 cêntimos.

Mais de um terço das portagens vai subir

O Ministério do Planeamento e Infraestruturas recebeu das concessionárias propostas de atualização anual das taxas de portagem, tal como previsto nos contratos de concessão. E tendo em conta que os contratos de concessão preveem a possibilidade de atualização das taxas de portagem no caso do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de outubro, sem habitação, ser positivo, o que se verificou, foram aprovadas.

Assim, de acordo com a mesma fonte da Secretaria de Estado das Infraestruturas, as atualizações a vigorarem incidem sobre cerca de 37% das taxas de portagem, mantendo-se inalteradas 63%. “As taxas que sofrerão atualização terão um ajustamento, em regra, de cinco cêntimos nos veículos de Classe 1”, refere o documento enviado ao ECO.

Veja quantos pórticos ficam mais caros:

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Passar as pontes sobre o Tejo vai custar até mais 20 cêntimos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião