Portugal está a recolher informações sobre descida de preços em supermercados na Venezuela

  • Lusa
  • 7 Janeiro 2018

Autoridades venezuelanas obrigaram na sexta-feira 214 sucursais de 26 redes de supermercados a baixar os preços dos produtos para valores inferiores aos comercializados no princípio de dezembro.

O Governo português está a recolher informações sobre a situação dos supermercados de portugueses que foram obrigados pelas autoridades a baixar os preços, disse à Lusa o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

“Eu estou a recolher informação, amanhã [domingo] falarei com as comunidades e com empresários portugueses aqui há muito tempo radicados, designadamente do setor do comércio e da distribuição, para que na segunda-feira, todas as questões que devam ser consideradas no plano bilateral possam ser colocadas com informação”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros.

Augusto Santos Silva falava à Agência Lusa em Caracas, à margem de um encontro com o cardeal local, Jorge Urosa Savino, que o governante considerou “muito útil” e que teve lugar no âmbito de uma visita de quatro dias do chefe da diplomacia portuguesa à Venezuela.

“Eu pedi a audiência ao cardeal Don Jorge, exatamente porque queria também ter o ponto de vista de quem, como a Igreja Católica, está tão presente na vida quotidiana das pessoas, num país católico como a Venezuela, e faz um trabalho social notável, porque isso permite também ter uma perspetiva sobre a situação que se vive na Venezuela, que é importante para um ministro dos Negócios Estrangeiros de um país que tem aqui uma grande comunidade residente”, disse.

Durante a visita, Augusto Santos Silva reunir-se-á com compatriotas nas localidades de Carrizal, Los Anacos e no Centro Português de Caracas, onde passará uma mensagem de apoio à comunidade lusa local.

“A mensagem principal é: os portugueses de Portugal estão convosco porque vocês são portugueses como nós, são descendentes de portugueses, portanto são nossos compatriotas, nós vivemos as dificuldades que vocês estão a viver, nós apoiamos no limite do que podemos, nós estamos presentes, nós preocupamo-nos e nós também intervimos junto das autoridades locais, das autoridades venezuelanas, para tentar garantir a segurança, o bem-estar, a propriedade e os negócios dos portugueses”, antecipou o ministro à Lusa.

As autoridades venezuelanas obrigaram na sexta-feira 214 sucursais de 26 redes de supermercados a baixar os preços dos produtos para valores inferiores aos comercializados no princípio de dezembro.

A medida, aplicada pela Superintendência de Preços Justos (Sundde) afetou, entre outras, as redes de supermercados Central Madeirense, Unicasa, Plazas, Excelsior Gama, Luvebras, propriedade de portugueses radicados na Venezuela.

As autoridades acusam os supermercados de subir os preços de produtos que tinham em inventários e os empresários queixam-se de injustiça porque estão a ser obrigados a vender, nalguns casos, a valores inferiores aos custos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal está a recolher informações sobre descida de preços em supermercados na Venezuela

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião