Governo prepara “grande ofensiva diplomática, económica e cultural” nos EUA

  • Lusa
  • 20 Janeiro 2018

Augusto Santos Silva adiantou que, entre as iniciativas previstas, estão um fórum económico em Nova Iorque com a participação do primeiro-ministro e uma deslocação do chefe de Governo à Califórnia.

O Governo português está a preparar para junho “uma grande ofensiva diplomática, económica e cultural nos EUA”, por ocasião do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, anunciou este sábado o ministro dos Negócios Estrangeiras, Augusto Santos Silva.

“Como sabem, o próximo 10 de junho será comemorado também junto das comunidades portuguesas na costa leste norte-americana e estamos a preparar em redor desse facto – que por si mesmo já é muito expressivo – um conjunto de iniciativas”, disse o governante.

Em declarações aos jornalistas na feira Maison & Objet, em Paris, onde estão mais de cem empresas portuguesas, o ministro adiantou que, entre as iniciativas previstas, estão um fórum económico em Nova Iorque com a participação do primeiro-ministro, do secretário de Estado da Internacionalização e de muitas empresas portuguesas e, depois, uma deslocação do chefe de Governo à Califórnia para contactar “com essa muito vibrante região de inovação económica, empresarial e tecnológica”.

O chefe da diplomacia portuguesa subscreveu, também, “as palavras simpáticas” do embaixador americano em Portugal, George Glass, que disse, em entrevista ao Diário de Notícias publicada este sábado, que “as relações entre os Estados Unidos e Portugal estão num máximo histórico”.

“É verdade”, afirmou Santos Silva, enumerando que “o investimento de empresas portuguesas nos Estados Unidos está a crescer” e há setores, como a energia renovável, em que as parcerias científico-tecnológicas entre universidades e institutos de investigação estão a desenvolver-se.

No dia em que o Presidente norte-americano completa um ano de mandato, o ministro português considerou que “são manifestos os sinais de dissonância” entre a UE e os EUA e exemplificou com as agendas das migrações, do combate às alterações climáticas e do desenvolvimento sustentável. No entanto, considerou que “não demorará muito que essas dissonâncias possam ser ultrapassadas”.

“O que eu posso dizer é que, evidentemente, são manifestos os sinais de dissonância que existem entre a política externa da União Europeia – nela incluída Portugal – e a política externa da administração norte-americana no que diz respeito a agendas que para nós são muito importantes, mas não são tão importantes para os americanos”, declarou.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, acompanhado pelo secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, está em Paris, esta sexta e sábado, numa missão de diplomacia económica que descreveu como “muito importante porque a internacionalização da economia portuguesa é um dos motores do crescimento da economia e do emprego”.

Esta sexta-feira, Santos Silva reuniu-se com empresários e investidores da comunidade portuguesa em França e o secretário de Estado visitou a Bijorhoca – Feira Internacional de Joalharia e a Who´s Next – Feira Internacional de Moda, que ocorrem em simultâneo no centro de exposições da Porta de Versalhes e nas quais há cerca de duas dezenas de empresas portuguesas a participar.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo prepara “grande ofensiva diplomática, económica e cultural” nos EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião