Centros de emprego terminam 2017 com menos de 404 mil desempregados

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 22 Janeiro 2018

O desemprego registado continua a descer. Em dezembro, os centros de emprego contavam 403,8 mil desempregados, mantendo assim o nível mais baixo desde finais de 2008.

O Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) encerrou o ano de 2017 com 403.771 desempregados, mantendo assim o nível mais baixo desde final de 2008, uma marca já alcançada nos dois meses anteriores. É preciso recuar a outubro de 2008 para encontrar um valor mais baixo do que o verificado nos últimos três meses de 2017.

Ainda assim, dezembro implica uma descida do stock de desempregados, tanto em termos mensais como homólogos. Face a novembro, o número caiu 0,2%; comparando com dezembro de 2016, está em causa um recuo de 16,33%. Esta é já a 51.ª descida homóloga consecutiva.

Olhando já para dezembro de 2015, a descida é de 27,3%, destaca uma nota do Ministério do Trabalho, sublinhando que “o desemprego registado nunca diminuiu tanto no espaço de dois anos“, tendo em conta a série iniciada em 1989.

Quando a análise incide sobre os desempregados que deram entrada nos centros de emprego só no mês de dezembro, os dados divulgados esta segunda-feira apontam para uma descida mensal de 28% e homóloga de 11,1%. Em causa estão 40.939 novos desempregados inscritos.

Além de desempregados, os centros de emprego contabilizavam ainda mais de 96 mil ‘ocupados’ em programas de emprego ou formação profissional (exceto programas que visem a integração direta no mercado de trabalho), menos 15,8% em termos homólogos, mas mais 1,4% em termos mensais. Cerca de 21,6 mil pessoas estavam indisponíveis temporariamente por motivos de saúde e aproximadamente 57 mil eram empregados que queriam mudar de emprego. Ao todo, os pedidos de emprego ascendiam a 578.871, menos 15,1% face a dezembro de 2016 e menos 0,8% comparando com novembro de 2017.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centros de emprego terminam 2017 com menos de 404 mil desempregados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião