Apanhado em “excesso de lentidão”? CP “multa” automobilistas com vouchers de viagens grátis

A CP está a medir a lentidão dos automobilistas e a multá-los com vouchers que dão direito a um mês de viagens grátis para novos aderentes. Esta terça-feira, os lisboetas já foram "apanhados".

A manhã ainda se espreguiça, quando os números verdes fluorescentes do “radar de lentidão” começam a brilhar. À meia-luz, um grupo de jovens equipados com camisolas brancas, nas quais se lê “foi apanhado por excesso de lentidão”, reúne-se em torno do poste que indica a velocidade dos automobilistas e prepara a mais recente campanha da Comboios de Portugal (CP). Esta manhã, vão passar “multas”, que, em vez de exigirem pagamento aos condutores, dão direito (aos novos aderentes) a uma assinatura mensal grátis para a rede de serviços da CP, mediante a compra da primeira mensalidade.

O radar da CP quer “apanhar” os automobilistas com “excesso de lentidão”.DR

“O objetivo desta campanha é levar à experimentação”, explica ao ECO a diretora de marketing da empresa de transportes ferroviários. Filipa Ribeiro sublinha que, com esta campanha, a CP pretende motivar os automobilistas a experimentarem o comboio, nos seus percursos diários, já que, em alguns casos, este é o meio mais rápido para ligar a casa ao destino.

Preparada para o frio que se faz sentir com um grosso casaco caramelo, a representante acrescenta: “O comboio é mais rápido especialmente nos acessos a Lisboa e ao Porto”. Daí que a ação, que leva, esta terça-feira, o grupo de jovens às janelas dos automóveis sempre que o semáforo da Cruz Quebrada fica vermelho, decorra não só na capital como também na Invicta. Os condutores do Porto podem esperar ser “multados” esta quinta-feira, no cruzamento entre a Rua das Fontaínhas e a Rua do Infante.

Jovens com camisolas, nas quais se lê “foi apanhado com excesso de lentidão” distribuem “multas”.DR

No passeio, os jovens espreitam com atenção a mudança dos semáforos. Esta manhã, vermelho significa que devem avançar. Serpenteiam entre os automóveis, entregando os “bons dias” e as notificações que dão acesso a um mês gratuito na rede de serviços Intercidades, Regional e comboios urbanos da CP em Lisboa, Porto e Coimbra.

Trocar a matrícula por uma assinatura mensal

Os interessados em trocar o volante pelas carruagens terão, posteriormente, de visitar o site da campanha, no qual deverão colocar a sua matrícula para validar a oferta. “Se entrou neste site é porque já foi apanhado em excesso de lentidão, quando ficou preso no trânsito ao ir para o trabalho, para escola, universidade ou simplesmente ao ir passear“, lê-se no formulário digital da troca. Depois de o preencherem, os automobilistas terão de ir a uma bilheteira, onde o voucher será efetivamente trocado por um cartão que lhes permitirá viajar durante um mês sem custos.

Trocar a matrícula por uma assinatura mensal. É esse o processo desta campanha.DR

Quais as vantagens de substituir as filas de automóveis pelos carris? “É mais económico utilizar o comboio, quando a pessoa vai sozinha no carro, e pode ainda utilizar o tempo para ler, trabalhar ou acabar de dormir“, avança, sorrindo, Filipa Ribeiro. “Aumenta a qualidade de vida“, comenta. Refere também que escolher o comboio para as deslocações diárias é menos stressante e mais previsível.

A poucos minutos das oito da manhã, o trânsito flui confortavelmente. Os números fluorescentes revelam que os automóveis se estão a deslocar a um quilómetro e meio por hora. Na rua abaixo, ouve-se o mar e os apitos incessantes que anunciam a chegada de mais um comboio.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Apanhado em “excesso de lentidão”? CP “multa” automobilistas com vouchers de viagens grátis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião