Senado dos EUA confirma Jerome Powell como novo presidente da Reserva Federal

  • Lusa
  • 24 Janeiro 2018

Senado dos EUA aprovou a seleção de Jerome Powell, feita por Donald Trump, para presidente do banco central norte-americano, a Reserva Federal (Fed), cujo mandato começa em fevereiro.

O Senado dos EUA aprovou terça-feira a seleção de Jerome Powell, feita por Donald Trump, para presidente do banco central norte-americano, a Reserva Federal (Fed), cujo mandato começa em fevereiro. Os senadores aprovaram o nome de Powell por 85 votos contra 12 a nomeação de Powell.

Powell vai suceder a Janet Yellen, a primeira mulher a chefiar a Fed, quando o seu mandato terminar, a 3 de fevereiro.

Trump decidiu não renovar o mandato de Yellen, apesar dos elogios generalizados ao seu desempenho desde que sucedeu a Ben Bernanke. Powell, de 64 anos, já conta com cinco anos e meio na direção da Fed. Advogado e gestor de investimentos por formação, vai ser o primeiro líder da Fed, em 40 anos, sem formação avançada em Economia. Visto como um centrista, goza de apoio entre republicanos e democratas.

O senador Sherrod Brown, que é o principal democrata na comissão senatorial da Banca, elogiou o desempenho de Powell na Fed. “O seu registo nos últimos seis anos mostra que é um autor de políticas ponderadas”, disse Brown.

Powell, conhecido como um construtor de consensos, pode ajudar a economia dos EUA e ser uma figura unificadora entre os responsáveis do banco central. Enquanto governador da Fed, ele nunca divergiu das decisões do banco central.

Formado na Universidade de Princeton, e em Direito por Georgetown, Powell, conhecido como Jay, passou vários anos na gestão de investimentos, primeiro na Dillon Read e depois no Carlyle Group. O seu trabalho aqui tornou-o uma das pessoas mais ricas a integrar o conselho de governadores da Fed. A informação financeira mais recente que divulgou situa a sua riqueza entre 19,7 milhões e 55 milhões de dólares entre 16 milhões e 45 milhões de euros). Mas, com base na forma como estas declarações estão concebidas, a sua fortuna pode rondar os 100 milhões de dólares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Senado dos EUA confirma Jerome Powell como novo presidente da Reserva Federal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião