Quer estagiar na Talkdesk? Startup lança programa para recém-graduados

  • ECO
  • 2 Fevereiro 2018

Talkdesk acaba de lançar um programa de estágios remunerados para recém-licenciados e recém-mestrados interessados em aprofundar competências no desenvolvimento de software.

Acabou a licenciatura ou o mestrado e está interessado em aprofundar as suas competências de desenvolvimento de software, SRE, Security, Quality Assurance e Data Science? O Tech Dojo é para si. Este programa de estágios remunerados da Talkdesk pretende fomentar a proximidade da startup às principais universidades nacionais e captar novos talentos para a empresa.

Os novos colaboradores serão integrados em equipas de trabalho, nas quais terão a oportunidade de participar no desenvolvimento de um produto baseado na cloud (com recurso às tecnologias mais recentes do mercado) utilizado à escala mundial.

O programa, que terá início em março (e em setembro, no caso da segunda edição) prolonga-se por nove meses. No fim desse período está em cima da mesa a possibilidade de continuarem na empresa. Entre Lisboa e o Porto, há 30 a 50 vagas que poderão ser preenchidas.

“O Tech Dojo é uma grande aposta nossa que visa identificar jovens de elevado potencial que, ao integrarem a empresa, trarão novas ideias e metodologias de trabalho”, garante em comunicado a responsável por este projeto. Daniela Barros revela ainda que os estagiários terão um “acompanhamento diário de um tutor” e “formação contínua”.

A Talkdesk é líder mundial, no mercado de soluções baseadas em cloud para call centers, ajudando as empresas a melhorarem a interação com os seus clientes. “A oferta da Talkdesk permite às empresas, das mais variadas dimensões, em diversos setores de atividade, montarem um call center em poucos minutos”, explica a startup, referindo que o seu serviço não exige qualquer dispositivo além de uma ligação à Internet e de uns auscultadores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quer estagiar na Talkdesk? Startup lança programa para recém-graduados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião