Costa: “Legislação laboral não é um entrave ao crescimento do emprego”

António Costa defendeu esta terça-feira que a atual lei não prejudica o mercado de trabalho. Admite apenas "rever o banco de horas individuais e combater a precariedade".

António Costa reuniu-se esta terça-feira com Mariano Rajoy, em Madrid, para fazer um ponto da situação das decisões tomadas na última cimeira entre os dois países. Ao final do dia, questionado pelos jornalistas sobre se a Europa pediu mais flexibilidade na legislação laboral, o primeiro-ministro falou na redução da taxa de desemprego nacional, defendendo que “a legislação laboral não é um entrave ao crescimento do emprego” e que se torna “essencial” apostar nas novas gerações.

Nós julgamos que a nossa legislação laboral tem revelado um bom comportamento e, a melhor forma de o demonstrar, são os números que têm saído relativamente ao desemprego”, disse António Costa. Referindo que “há dois anos, a taxa de desemprego era de 12,6% e, neste momento, está nos 8% ou nos 7,9% e com uma descida consistente”, o primeiro-ministro voltou a destacar que a “legislação laboral não é um entrave ao crescimento do emprego (…) e o aumento do salário mínimo nacional, neste três anos, também não foi um entrave, pelo contrário“.

Costa deixou ainda um conselho às empresas e empresários, sublinhando que se torna “essencial” apostar nas novas gerações, pois é “aquilo que temos de olhar para o mercado de hoje”, e apenas essas “têm o direito a exigir oportunidades de realização pessoal e profissional dignas da formação que têm”.

É essencial para as empresas portuguesas fixarmos estes jovens, atrairmos estes jovens, mantê-los nas empresas portuguesas… E isso implica, necessariamente, que as empresas compreendam que investir em mão-de-obra mais qualificada é uma coisa essencial para a inovação e que a inovação é a chave da sua competitividade“, disse. “E eu acho que as empresas têm compreendido isso bem”.

O primeiro-ministro acrescentou ainda que o Governo vai apenas “rever o banco de horas individuais, combater a precariedade, apostar numa política de rendimentos que seja atrativa e que melhore a qualidade do trabalho“, pois “essa ideia de que seremos mais construtivos e produtivos esmagando salários e destruindo direitos é uma ideia errada, não faz parte do mundo de hoje”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa: “Legislação laboral não é um entrave ao crescimento do emprego”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião