Frulact aposta no mercado vegetariano e compra startup para diversificar

  • ECO
  • 9 Fevereiro 2018

Frulact aposta no mercado vegetariano com a aquisição da startup 5enseinfood, cujo processo de produção de ingredientes à base vegetal pode ser aplicado numa vasta gama de produtos finais.

Com oito fábricas em três continentes e trinta anos de história, a Frulact acaba de reforçar a sua aposta no mercado vegetariano. A empresa comprou 100% do capital social da 5enseinfood (5IF), uma startup que criou um processo patenteado de produção de ingredientes à base vegetal para a indústria alimentar, avança o Jornal de Negócios (acesso pago).

O projeto empreendedor foi desenvolvido, em 2012, na escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica do Porto, e tinha sido, até agora, detido por um conjunto de capitais de risco, nomeadamente a Change Partners e a Invicta Angels. As fundadores — Joana Mafalda Inácio e Maria Isabel Franco — eram também acionistas da startup.

A compra da 5IF pelo grupo da família Miranda tem como objetivo diversificar o seu negócio — apostando em áreas complementares do seu núcleo duro — e dar mais um passo na direção dos 200 milhões de euros de faturação consolidada — uma meta que a multinacional quer atingir durante o próximo ciclo do plano estratégico.

A alteração dos hábitos alimentares e nutricionais a uma escala global tem ditado, por um lado, o reposicionamento de muitos dos players tradicionais da indústria alimentar e, por outro, o aparecimento de novos agentes, que trazem uma miríade de novos produtos e soluções para a diversificação e procura de alternativas pelo consumidor final“, justificou a operação o líder executivo da Frulact ao mesmo jornal.

Criada em 1987, empresa da família Miranda tem sede na Maia e fechou o último ano com 112 milhões de euros em vendas, mais sete milhões de euros do que em 2016. A Frulact emprega 725 pessoas, das quais 55 no seu centro de inovação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Frulact aposta no mercado vegetariano e compra startup para diversificar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião