Brisa admite mudar sistema de portagens, mas pede “equilíbrio” no contrato de concessão

  • Ana Batalha Oliveira
  • 10 Fevereiro 2018

A polémica começou esta semana por causa da PSA de Mangualde. A Brisa diz ao ECO que está aberta à revisão do contrato com o Governo, desde que se mantenha o "equilíbrio económico e financeiro".

O grupo PSA lançou a discussão esta semana: defende a necessidade de alterar os critérios que determinam quais os veículos que pertencem à classe 1, caso contrário, a fábrica em Mangualde está em risco de fechar as portas. A Brisa assume que as revisões ao contrato de concessão são “normais” e pretende apenas “assegurar o equilíbrio económico e financeiro” do mesmo, afirma fonte oficial ao ECO.

A Brisa tem por princípio não alimentar especulações, de forma a preservar as condições para um normal processo negocial”, diz a concessionária, sem confirmar ou desmentir o contacto da parte do Governo. Independentemente da posição que o Executivo liderado por António Costa decida assumir, a Brisa reitera um único interesse: “assegurar o equilíbrio do modelo económico e financeiro do contrato”.

A empresa relembra, inclusivamente, que o Governo já tomou a iniciativa de renegociar o acordo de concessão por duas vezes no passado recente, uma em 2004 e outra em 2008, tendo encontrado a devida disponibilidade por parte da Brisa. “As revisões do contrato de concessão são normais“, explica a concessionária.

O Executivo “vai introduzir a questão na renegociação que está a fazer com as várias concessionárias nomeadamente com a Brisa”, disse ao ECO fonte oficial do gabinete do ministro do Planeamento, Pedro Marques.

Na passada quinta-feira, o grupo PSA acusou as concessionárias de autoestradas de terem uma postura “oportunista” em relação a estes contratos, negligenciando o “interesse económico do próprio país” ao procurar “tirar benefícios de qualquer alteração”.

Alfredo Amaral, diretor geral da PSA Portugal, diz que as condicionantes impostas pelo sistema de portagens, que limita a altura dos veículos classe 1 aos 1,10 metros, podem interferir com a produção de um novo modelo, o K9, que tem início agendado para 2018.

A altura deste modelo ultrapassa a fasquia de 1,10 metros, incluindo-se no grupo de veículos de classe 2. Consequências negativas ao nível das vendas terão um “impacto direto no emprego” ou mesmo pôr em causa a presença da PSA em Mangualde “a médio prazo”, alertou o diretor do grupo. A solução está agora do lado do Governo e das concessionárias, mas é imperativo obter uma resposta “antes do final de julho”, avançou ainda Alfredo Amaral.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brisa admite mudar sistema de portagens, mas pede “equilíbrio” no contrato de concessão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião