Subsídios da indústria na luz vão até aos 88 milhões este ano

  • ECO
  • 16 Fevereiro 2018

O serviço de interruptibilidade vai custar menos 24 milhões na fatura da luz das famílias portuguesas em 2018 face ao ano passado.

Cerca de 88,4 milhões de euros é quanto os portugueses vão pagar na fatura da eletricidade para que seja garantido o serviço conhecido por interruptibilidade que é descontado da fatura dos grandes consumidores da indústria. Os cálculos feitos pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) são avançados pelo Público (acesso condicionado) nesta sexta-feira. O custo para o bolso dos portugueses será ainda assim inferior em cerca de 24 milhões face ao suportado na fatura de 2017.

Este valor, que é pago na fatura da eletricidade dos contribuintes, permite garantir um desconto nos encargos energéticos das empresas industriais que estão inscritas numa lista de grandes consumidores que estão disponíveis para reduzir os seus consumos em situações de emergência, de eventuais desequilíbrios entre a produção e a procura de eletricidade que possam causar um apagão.

Segundo os documentos das tarifas reguladas para 2018, a ERSE estima que o custo previsto para os consumidores será até dezembro de 88,4 milhões de euros, dos quais cerca de 20 milhões serão pagos à Siderurgia Nacional, que sozinha representa 2,5% do consumo elétrico nacional.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Subsídios da indústria na luz vão até aos 88 milhões este ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião