Augusto Mateus: “Falta uma política mais ousada a Portugal”

O economista Augusto Mateus diz que Portugal tem uma crise de investimento e defende que falta uma política mais ousada em Portugal.

O economista Augusto Mateus defendeu, esta quarta-feira no Porto, que a economia sofre uma crise do investimento. Para o ex-ministro da Economia, é nas alturas de bom enquadramento económico que se tem que fazer as coisas difíceis.

Augusto Mateus, que falava na conferência do Orçamento do Estado de 2018 organizada pela consultora EY, defende que é preciso reconstruir as políticas de poupança na economia de modo a ter mais investimento, baseado em mais inovação e tecnologia. Mateus acrescenta que é errado dizer que “não queremos ter uma economia de serviços, porque esta já existe, mas para isso é preciso desígnios novos, como o de incentivos na política macroeconómica”.

“A política macroeconómica tem de ser mais ousada”, afirmou o ex-ministro da economia do Governo de António Guterres.

Para Mateus, é preciso aproveitar a política macroeconómica porque esta não vai durar para sempre, e deixou uma alerta: “Temos uma subida das taxas de juro iminente, e vamos ser, dos países da Europa, o que mais vai sofrer com essa subida”.

Para evitar esse problema, aconselha: “É preciso ter uma intervenção mais rápida do que o habitual e, nesse sentido, é preciso pôr a política orçamental e a política monetária a namorar”.

Por outro lado, Mateus recorda que “é preciso prolongar as coisas positivas que ajudam à consolidação da credibilidade, mas passa ao lado do problema real do investimento e da justiça, nomeadamente no que respeita à pobreza e às desigualdades na classe média que sofreu em demasia durante o período de austeridade em Portugal”.

Mateus diz ainda que, “é na especialização geográfica que Portugal é derrotado, não nos libertamos a tempo de atividade regressivas [as que têm poucas mais valias] e está concentrado em mercados pouco dinâmicos”. A solução, afirma Mateus “passa por incentivos ousados à capitalização”. O que, no entender do economista, é diferente de dar dinheiro às empresas. Aliás, Mateus defende mesmo que “os fundos estruturais em Portugal deviam ter a utilização mais seletiva da Europa”, na medida em que é importante “fazer chegar incentivos às empresas que se estão a reorganizar”.

Sobre o Orçamento do Estado para 2018, Mateus afirma que “temos uma recuperação efetiva e duradoura, e o que me parece é que há um esforço deste OE que vem de trás, que é o de reforçar a credibilidade do Estado português e que há uma modernização da administração fiscal de que nos devemos orgulhar e praticar”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Augusto Mateus: “Falta uma política mais ousada a Portugal”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião