Novabase sai. F. Ramada promovida ao PSI-20

O PSI-20 vai ter uma cara nova. No âmbito da revisão anual do índice de referência da bolsa nacional, a gestora decidiu promover F. Ramada.

O PSI-20 vai sofrer alterações. Continuará com apenas 18 cotadas, o mínimo exigido à luz das regras do índice, mas vai ter uma cara nova, a F. Ramada. A empresa foi escolhida pela gestora do mercado de capitais português para subir de divisão, passando para a primeira liga da bolsa de Lisboa. Vai substituir a Novabase.

No âmbito da revisão anual do índice, a Euronext Lisboa, liderada por Paulo Rodrigues da Silva, anunciou que a F. Ramada será incluída na principal montra do mercado de capitais português. A empresa liderada por João Borges de Oliveira será uma estreia no PSI-20. A cotada só entrou em bolsa em 2008, tendo-se mantido no índice geral.

Com a promoção da F. Ramada, Paulo Fernandes ficará com duas das suas três empresas cotadas no índice principal. A F. Ramada junta-se à Altri, sendo que a Cofina continua afastada da primeira liga da bolsa de Lisboa.

A F. Ramada vai entrar no índice a 19 de março, de acordo com a informação avançada pela Euronext. Antes, a Novabase será excluída, cerca de um ano depois de ter sido promovida ao índice principal. A empresa liderada por Luís Paulo Salvado abandona o índice principal devido à reduzida liquidez que os seus títulos apresentam.

Os cálculos realizados pelo ECO apontavam já no sentido da saída da Novabase, sendo que também a Ibersol poderia ser excluída tendo em conta o reduzido número de negócios que são realizados diariamente com as suas ações. A empresa de fast food que entrou no PSI-20 a par da Novabase acabou por ser poupada.

Em sua substituição, a Euronext escolheu a F. Ramada, sendo uma das três cotadas que estavam na “corrida” ao índice, de acordo com os cálculos do ECO. Os números davam primazia à Sonae Indústria, mas o Comité do PSI-20 optou por selecionar a empresa industrial de Paulo Fernandes

(Notícia atualizada às 20h06)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novabase sai. F. Ramada promovida ao PSI-20

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião