António Costa pediu bilhetes para ver o Benfica enquanto presidente da Câmara de Lisboa

  • ECO
  • 21 Março 2018

António Costa pediu bilhetes para si e para os filhos para dois jogos do Benfica. Os casos remontam a 2012, quando era presidente da Câmara Municipal de Lisboa.

António Costa também pediu bilhetes para ver jogos do Benfica, noticia a revista Sábado esta quarta-feira. Os casos relatados remontam a 2012, quando Costa era presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML) e não estava sujeito ao Código de Conduta que, agora como primeiro-ministro, o impede de aceitar presentes de valor superior a 150 euros.

A Sábado relata dois casos. No primeiro, em agosto de 2012, a secretária do então presidente da CML, Carla Matos, pediu ao Benfica “dois ingressos para o jogo Benfica-Braga em nome de Catarina Costa”, filha de António Costa. O pedido chegou a Domingos Soares Oliveira, que lhe deu seguimento. Uma revelação que surge na sequência dos casos de recebimento indevido de vantagem que ditaram, no verão do ano passado, uma remodelação governamental com a saída de vários secretários de Estado, nomeadamente o dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade, e do próprio ministro das Finanças que chegou a ser investigado pelo Ministério Público, que acabou por arquivar o caso.

O segundo caso aconteceu em novembro de 2012 e, mais uma vez, terá sido a sua secretária a pedir bilhetes para o jogo do Benfica contra o Celtic. Depois de receber o convite oficial para o autarca, Carla Matos pediu mais um bilhete, para Pedro Costa, filho de António Costa.

Estas informações constam de emails revelados pelo blogue Mercado de Benfica, que revela ainda outros pedidos. Vítor Sereno, chefe de gabinete do ex-ministro Miguel Relvas, também pediu dois bilhetes para o Benfica-Braga de agosto de 2012. Também Diogo Guia, chefe de gabinete de Emídio Guerreiro, secretário de Estado do Desporto do primeiro Governo de Passos Coelho, pediu cinco bilhetes para o jogo do Benfica contra o Celtic, em novembro de 2012.

Centeno pediu bilhetes para o Benfica-Nápoles

Também esta quarta-feira, o Correio da Manhã dá conta de que Mário Centeno pediu bilhetes para mais jogos para além do Benfica-FC Porto, caso pelo qual já foi investigado e ilibado. Em dezembro de 2016, quando já era ministro das Finanças, pediu convites, para si e para o seu filho, para assistir ao Benfica-Nápoles, jogo da Liga dos Campeões.

Ao mesmo jornal, o Ministério das Finanças justifica que “a notoriedade pública do ministro das Finanças coloca exigências à participação em eventos públicos, como jogos de futebol, no que concerne a garantir a sua segurança”. O gabinete de Centeno entende, assim, que “a presença do ministro, enquanto adepto do Benfica, deve ser avaliada em função das condições de segurança e grau de risco classificado em cada evento desportivo”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Costa pediu bilhetes para ver o Benfica enquanto presidente da Câmara de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião