PCP e Bloco classificam intervenção do Estado no Novo Banco como “obscena” e “desastrosa”

  • Juliana Nogueira Santos
  • 28 Março 2018

Pela voz da deputada Mariana Mortágua, o BE diz que o Governo poderia contar com ele para uma solução como a nacionalização, mas escolheu a desastrosa. O PCP fala de um "processo de obscenidade".

Após a instituição liderada por António Ramalho apresentar prejuízos recorde de 1,39 mil milhões de euros, os partidos à esquerda do Governo criticaram a atuação do Executivo de António Costa, afirmando ser uma intervenção desastrosa e até obscena.

Pela voz da deputada Mariana Mortágua, que falava aos jornalistas na Assembleia da República, o Bloco de Esquerda disse que o Governo “poderia contar com o Bloco de Esquerda para uma solução que não passasse por uma doação de capitais públicos a fundos abutres”, ou seja, a nacionalização, mas que este “preferiu uma solução que prevíamos ser um desastre”. E, segundo a mesma, assim foi.

“Há um ano atrás o Bloco de Esquerda convocou um debate de urgência porque achávamos que esta venda ia ser um descalabro para as contas públicas e que o país não ia ganhar nada”, afirmou Mortágua. “O Governo preferiu uma solução que prevíamos ser um desastre e que se provou ser um desastre.”

Já o Partido Comunista, pela voz de Miguel Tiago, criticou também a intervenção do Estado neste que é um banco privado, afirmando que “o estado comprometeu importantes valores públicos no banco desde a resolução”, transformando-se num “processo de obscenidade” para “limpar um banco em vez de ficar com ele”.

Ao reiterar também a nacionalização da fatia “boa” do Banco Espírito Santo, Tiago afirma que “não dizemos que esta injeção podia ser evitada, mas podíamos estar a injetar num banco público”.

(Notícia atualizada às 19h44 com mais informação)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PCP e Bloco classificam intervenção do Estado no Novo Banco como “obscena” e “desastrosa”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião