É cliente da Meo? Fatura em papel vai custar um euro a partir de agora

Se é cliente da Meo, fique a saber que a fatura em suporte papel vai passar a custar um euro. Mas o regulador recomenda isenção de encargos em qualquer fatura. Deco também contesta.

A Meo vai começar a cobrar um euro pelo envio das faturas em papel ao seus clientes já a partir desta semana, mas a medida está a gerar controvérsia. A associação de defesa dos consumidores diz que esta cobrança é “ilegal”. Já o regulador recomendou às operadoras que não cobrem qualquer valor pelas faturas.

Para já, a Meo começará por aplicar esse encargo nas assinaturas de telemóvel já a partir de abril, mas o objetivo será alargar a medida a todos os seus clientes. Os clientes já foram inclusivamente informados da introdução deste novo encargo administrativo que já se encontra em vigor há um ano para quaisquer novas adesões.

Segundo explicou a operadora, a medida vai evitar atrasos e extravios na correspondência via correios e surge numa lógica de digitalização de todos os processos. Quanto ao valor “simbólico” de um euro, vai incentivar os clientes à adesão à fatura eletrónica, diz a Meo.

Contudo, a Deco já denunciou a ilegalidade dessa cobrança junto da Anacom, isto depois de a associação de defesa dos consumidores ter recebido inúmeras queixas e reclamações. A fatura “é um direito do consumidor, não é um serviço a pagar”, esclarece a Deco, defendendo que tal cobrança constitui “uma lesão grave e manifestamente ilegal” dos consumidores clientes da Altice.

A Anacom recomenda aos operadores de telecomunicações que não cobrem qualquer valor pela disponibilização de faturas não detalhadas ou com um mínimo de detalhe aos seus assinantes, seja em papel ou em qualquer outro suporte.

Anacom

Comunicado

Receber faturas gratuitas relativas aos serviços que lhes sejam prestados é um direito dos consumidores e um dever dos prestadores de serviços“, advertiu a associação, lembrando que a Lei dos Serviços Públicos Essenciais “estabelece claramente” que o direito a uma fatura com uma periodicidade mensal e com os serviços prestados e as correspondentes tarifas discriminados.

Em resposta, a Altice disse que a Deco promoveu “um grave equívoco” que penalizou de “forma grave e injustificada” a reputação da Meo. Garante que está a cumprir “escrupulosamente a lei”, argumentando que “em nenhum momento é colocada em causa a disponibilização, sem custos, de faturas” aos clientes.

Do lado do regulador, a Anacom recomendou aos operadores de telecomunicações que “não cobrem qualquer valor pela disponibilização de faturas não detalhadas ou com um mínimo de detalhe aos seus assinantes, seja em papel ou qualquer outro suporte”.

Não é só a Meo que aplica esta cobrança aos clientes que recebem fatura em papel. Também a Nos e a Nowo preveem o mesmo encargo administrativo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

É cliente da Meo? Fatura em papel vai custar um euro a partir de agora

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião