Receios sobre guerra comercial aliviam. Wall Street recupera

  • Rita Atalaia
  • 3 Abril 2018

Os receios em torno da guerra comercial entre os EUA e a China e a recuperação de algumas empresas estão a animar as praças norte-americanas. Wall Street abriu no verde, com ganhos de 1%.

Os receios em torno da guerra comercial entre a China e os EUA, que levou os dois países a imporem tarifas sobre alguns produtos importados, estão a aliviar. Uma reviravolta que está a animar as principais praças norte-americanas. Depois de ter arrancado a semana no vermelho, Wall Street está de regresso as ganhos.

Neste contexto, o Dow Jones sobe 0,42% para 23.744,60 pontos, enquanto o S&P 500 avança 0,52% para 2.595,21 pontos. Já o Nasdaq valoriza 0,83% para 6.924,33 pontos. Isto num dia em que as bolsas do Velho Continente regressaram à negociação após uma pausa para as férias da Páscoa.

"O que está a acontecer a nível da política comercial é uma grande preocupação para os investidores.”

Scott Brown

Economista-chefe da Raymond James

Depois de uma resposta morna dos chineses às tarifas impostas por Donald Trump, chegou uma nova ronda de retaliações. A China anunciou a imposição de tarifas aduaneiras a mais de 120 produtos alimentares que têm como origem os EUA em resposta às tarifas sobre o aço e o alumínio ordenadas pelo presidente Donald Trump.

“O que está a acontecer a nível da política comercial é uma grande preocupação para os investidores”, afirma Scott Brown, economista-chefe da Raymond James, à Reuters. Mas os receios em torno desta guerra comercial parecem começar a aliviar.

Nas empresas, o cenário também é de recuperação. A Tesla chegou a cair 6% na segunda-feira depois de o seu fundador, Elon Musk, ter dito que a empresa tinha ido à falência — uma brincadeira do dia das mentiras. Esta terça-feira, as ações estão a subir 4,17%. Também a Amazon esteve a recuar cerca de 4% depois de Donald Trump ter atacado os preços das entregas da retalhista online através do serviço postal norte-americano e prometido mudanças, sem especificar quais. Os títulos valorizam mais de 1%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Receios sobre guerra comercial aliviam. Wall Street recupera

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião