Maioria dos contratos de arrendamento é de apenas um ano

  • ECO
  • 23 Abril 2018

O presidente da Associação de Inquilinos Lisboneses, Romão Lavadinho, revela que há, neste momento, "mais de 500 mil inquilinos precários". 

Já são poucos os proprietários de casas que, quando decidiam arrendá-las, fazem contratos superiores a um ano. E a cláusula do “renovável por igual período” é cada vez menos usada, revela o Diário de Notícias. De acordo com o presidente da Associação de Inquilinos Lisboneses, Romão Lavadinho, não são apenas os contratos novos que correm risco. Há, neste momento, “mais de 500 mil inquilinos precários”.

“Neste momento, o problema maior que observamos é a não renovação do contrato”, afirma o presidente da AIL ao DN. A associação vai em breve apresentar um conjunto de propostas em que defende a atribuição de benefícios fiscais em função das renovação. O objetivo será salvaguardar não apenas os contratos novos de arrendamentos, mas todos os outros. No ano passado, foram celebrados 84.383 contratos de arrendamento e estima-se — não há números oficiais — que mais de metade sejam a 12 meses.

"Neste momento, o problema maior que observamos é a não renovação do contrato.”

Romão Lavadinho

Presidente da Associação de Inquilinos Lisboneses

Estas propostas juntam-se às vários iniciativas políticas em curso, como é o caso do PCP que quer revogar a lei do arrendamento de 2012 (a chamada lei Cristas). Mas também do PS, que entregou na semana passada um projeto para a Lei de Bases da Habitação. Do lado do Bloco de Esquerda, será apresentado um projeto em que defende a estabilidade dos contratos de arrendamento através da fixação de um prazo mínimo de duração e incentivos fiscais para contratos de mais longa duração.

O ministro do Ambiente apresentará esta segunda-feira um pacote legislativo da Nova Geração de Políticas de Habitação, que conta com apoios no acesso à habitação, mas também com medidas que promovem a reabilitação e outras para alargar a oferta de imóveis. No entanto, ao que o jornal apurou, o Governo não parece estar disponível para mexer na lei do arrendamento.

Isto num cenário em que as rendas das casas estão a subir para preços nunca antes vistos, sobretudo nas zonas de Lisboa e Porto, e as famílias estão a ser confrontadas com ordens para saírem e darem lugar a um novo inquilino disposto a pagar mais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Maioria dos contratos de arrendamento é de apenas um ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião