Facebook vai ter um botão para apagar o histórico de navegação

O Facebook vai permitir aos utilizadores apagarem o histórico de sites visitados e aplicações usadas, informações que são recolhidas e guardadas pela rede social.

O presidente executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, anunciou esta terça-feira que a rede social vai passar a permitir que os utilizadores apaguem as “informações sobre aplicações e sites com os quais interagiram” e que são recolhidas pela plataforma. Será uma espécie de botão para esvaziar o histórico do utilizador fora daquilo que é a plataforma do Facebook, mais propriamente dita.

“Nos browsers de internet, há uma forma simples de apagar os cookies [pedaços de informação que são guardados pelos sites no dispositivo do utilizador] e o histórico”, começou por comparar Mark Zuckerberg, numa publicação feita no Facebook e no mesmo dia em que a empresa promove a F8, uma conferência destinada aos programadores, que decorre em Silicon Valley.

Isto para dizer, depois, que o Facebook vai levar a cabo uma atualização para trazer esta ideia para a rede social. “Quando lançarmos a atualização, poderá ver informação sobre as aplicações e os sites com os quais interagiu, e poderá apagar essa informação da sua conta. Também terá a opção de desligar a recolha dessa informação na sua conta”, avançou o gestor.

Mas, tal como quando se apaga o histórico do browser da internet, eliminar estas informações do Facebook irá trazer alguns entraves à experiência na rede social, na medida em que “o Facebook não será tão bom enquanto vai reaprendendo as preferências” do utilizador. De qualquer forma, o gestor diz acreditar que é importante que os utilizadores do Facebook tenham a capacidade de escolher apagar ou manter as informações em causa nas respetivas contas.

Esta medida surge depois de se saber que a consultora Cambridge Analytica terá usado indevidamente os dados pessoais de 87 milhões de utilizadores do Facebook. Desde então, melhorar os controlos de privacidade tem sido uma prioridade para a empresa presidida por Mark Zuckerberg. Até porque teve de se sentar durante dez horas no Congresso, para duas audições distintas, em que foi interrogado pelos políticos acerca das práticas e metodologias usadas pelo Facebook.

Aliás, Zuckerberg termina mesmo a mensagem desta terça-feira com uma confissão: “Uma coisa que aprendi da experiência de testemunhar no Congresso é que eu não tenho respostas suficientemente claras para algumas questões acerca dos dados. Estamos a trabalhar para que esses controlos sejam mais fáceis e teremos novidades em breve”, garantiu.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Facebook vai ter um botão para apagar o histórico de navegação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião