Adar Capital Partners já controla 10,3% da Pharol

O fundo Adar Capital Partners controla agora quase 10,3% da empresa portuguesa Pharol, que é a maior acionista da operadora brasileira Oi. Torna-se o maior acionista conhecido da Pharol.

O fundo Adar Capital Partners, que gere ativos de mais de dois mil milhões de dólares, reforçou a posição na empresa portuguesa Pharol e é agora o maior acionista conhecido da companhia liderada por Luís Palha da Silva. Com sede nas Ilhas Caimão, a Adar Capital Partners, controlada por Zev Marynberg, já tem mais de 10% da antiga holding da Portugal Telecom.

De acordo com uma nota enviada esta quarta-feira aos mercados, desde 27 de abril que a Adar Capital Partners controla, direta e indiretamente, 10,285% da empresa portuguesa, que, por sua vez, é a maior acionista da operadora brasileira Oi. Anteriormente, a posição direta e indireta do fundo na Pharol era de 7,012%. Mais especificamente, o fundo principal gerido por Marynberg, conhecido por Adar Macro Fund, detém diretamente 8,527% da empresa.

Com os quase 10,3% de posição na Pharol, o fundo Adar Capital Partners torna-se o maior acionista conhecido da cotada portuguesa. É uma posição superior até à da Telemar Norte Leste, que, de acordo com as últimas informações, de 31 de maio de 2012, terá 10% da Pharol. Supera também a do Novo Banco, que é de 9,56%.

Esta notícia surge num dia em que a Pharol está a valorizar na bolsa de Lisboa, depois de o ECO publicar uma grande entrevista ao presidente executivo, Luís Palha da Silva. Os títulos da empresa chegaram a avançar 6,59% para 29,10 cêntimos, um máximo desde dezembro do ano passado.

Ao ECO, o líder da Pharol mostrou-se confiante de que a empresa vai conseguir recuperar uma parte do crédito da Rio Forte (não recuperar nada parece ser um cenário impossível) e de que a Oi vai valorizar-se depois da recuperação judicial em curso. Além disso, a Pharol deverá sugerir aos acionistas participar no próximo aumento de capital da Oi, caso as condições sejam “atrativas”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Adar Capital Partners já controla 10,3% da Pharol

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião