ARC melhora perspetiva de Portugal para positivo

  • Juliana Nogueira Santos
  • 21 Maio 2018

A agência liderada por José Poças Esteves afirma que só subirá o rating se o Governo mantiver os esforços e não surjam "surpresas negativas" na reestruturação da banca nacional.

A ARC Ratings melhorou a perspetiva do rating português de “estável” para “positivo”, mantendo o nível em ‘BBB-‘, ou seja, num grau de investimento. A agência enuncia as melhorias na economia nacional e no setor bancário, a “vontade e capacidade” do Governo para ir para além das metas e a prioridade dada à consolidação fiscal e à redução da dívida como justificações para esta decisão.

A agência, formada em resultado da fusão de várias agências mundiais entre elas a Companhia Portuguesa de Ratings, afirma em comunicado que a mudança na perspetiva se deu devido “às melhorias continuadas nas previsões económicas, no perfil de crescimento e nos níveis de desemprego“, acrescentando ainda a “vontade e capacidade do Governo de ir para além das suas metas de consolidação fiscal”.

Ainda assim, as melhorias notadas não são ainda suficientes para que o nível de rating seja melhorado, uma vez que esta operação “estará muito dependente da capacidade do Governo de manter o equilíbrio entre as metas fiscais e económicas fundamentais e os crescentes pedidos de alívio da austeridade”.

A agência liderada pelo economista português José Poças Esteves afirma ainda que essa decisão só será tomada se se observar “a ausência de surpresas negativas no processo de reestruturação do setor bancário”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ARC melhora perspetiva de Portugal para positivo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião